A tradicional Ceia de Reis organizada pelo Rancho Folclórico da Trofa voltou a realizar-se no passado sábado pelas 20 horas. A animar a festa, para além dos elementos do Rancho, estiveram ainda alguns convidados.

   Na noite de Reis, o Rancho Folclórico da Trofa cumpriu a tradição e organizou mais uma Ceia de Reis, onde para além dos elementos do Rancho, estiveram ainda alguns convidados. Afonso Paixão, António Pontes, o representante da Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado, Tomé Carvalho e um representante dos Bombeiros Voluntários da Trofa, aceitaram o convite e participaram também na ceia.

Alcino Paixão, presidente do Rancho Folclórico da Trofa referiu que apesar de esta ser uma iniciativa "que dá muito trabalho, vale sempre a pena pelo convívio", e aproveitou ainda para fazer um balanço do ano 2007, "foi muito positivo, fizemos cerca de 20 saídas, o que é bastante bom, todas em Portugal Continental", concluiu.

"Somos como uma escola de folclore", afirmou Ricardo Oliveira, vice-presidente do Rancho que explicou ao NT "já no ano passado iniciamos com um grupo de jovens bastante grande, sete jovens que pouco ou nada de folclore sabiam e agora pode dizer-se que estão de parabéns". Caracterizando a divulgação do folclore como "nem fácil, nem difícil", o vice-presidente refere que "nos sítios onde existe uma comunidade portuguesa nós sentimo-nos quase que como em casa, e os estrangeiros também vêm o folclore como uma imagem de Portugal e recebem-nos muito bem". Com o reconhecimento dos trofenses, Ricardo Oliveira frisou "sentimo-nos orgulhosos quando actuamos na Trofa, apesar do nervosismo, quando somos aplaudidos de pé ficamos muito confiantes".

A celebrar os 49 anos, o Rancho Folclórico da Trofa continua a divulgar a Trofa e o folclore, tendo já várias actuações marcadas para Portugal e também para a Estónia e França.