O 3º dia do Marés Vivas tmn 2012 arrancou no palco Moche ao som dos HMB. A banda de Lisboa trouxe ao Douro o seu som marcadamente Soul e R&B, a aquecer com os seus ritmos dançantes e quentes, o público que ia enchendo o recinto a encher para uma noite que foi diversificada e que denotou uma grande heterogeneidade de públicos.

A fechar o palco Moche estiveram os fantásticos Virgem Suta, que não precisaram de muito para animar a “malta” que abancava no palco Moche e se divertia ao som de temas já muito radiofónicos como “Linhas Cruzadas” ou “Tomo conta desta tua casa”. Um bom arranque para uma noite de enchente no Marés Vivas.

No Palco TMN, ainda com o recinto a encher as hostilidades abriram ao som de “Ebony Bones”. Com um toada funk neste 3º dia do Marés Vivas tmn 2012, conseguiu uma grande interação com temas como “W.a.r.r.i.o.r” ou “In God we trust ( God, Oil & Drugs)”, mais crus que no disco, e até o novo tema “Mistery Babillon Balloon” foram muito bem recebidos se do que ouve tempo para uma versão bem funk de “Enjoy the Silence” dos Depeche Mode. É de realçar a teatralidade de Ebony Bones que não deixou de ser notada, e deu um colorido interessante ao espetáculo.

Entretanto, para dar uma corpo á heterogeneidade deste 3º dia do Marés Vivas 2012, os Portugueses Os Azeitonas subiram ao palco. Entre um visual saído das bandas dos anos 50, com um letreiro de luzes pisca-pisca a condizer, Os Azeitonas levaram ao palco uma catrefada de hits radiofónicos bem interpretados e bem cantarolados pelo público. Entre “ Salão América”, “Quem és tu miúda” ou “Dança menina nua”, era ver Os Azeitonas a encarar o palco TMN de uma forma natural e descontraída.  Pelo meio, Nena cantava “Desenhos Animados” que contou com a colaboração especial de Rui Veloso, que acabaria por ficar até ao fim do concerto, onde se tocou “Paixão (Segundo Nicolau da Viola)”,do próprio Rui Veloso, “ Um tanto ou quanto atarantado”, a cheirar a blues, e para fechar “ Anda Comigo Ver os Aviões”. Um concerto que ficará na história de Os Azeitonas, certamente.

Com a noite já fechada, soltou-se a cavalaria Rock dos anos 80. Billy Idol, apesar ou do alto dos seus quase 60 anos, arrancou um concerto rock cheio de energia e espetáculo rock. A sua longa carreira deu para chutar grandes hits como “Dancing with myself”, “sweet sixteen”, “eyes without a face”, e ainda uma curiosa versão de L.A. Woman, aqui transformada em Portugal Woman, sempre bem acompanhado por uma mão cheia de músicos competentes. Destes destaca-se o fabuloso guitarrista Steve Steveens , com tempo para uns minutinhos a solo no palco.  O concerto fechou num encore com “white wedding” e “Mony Mony”. No final Billy Idol ainda disse  “ Thank you for making my life so fucking good”, o que demonstra o respeito que o músico tem pelo público, o seu público.

 Para o final deste 3º dia do Marés Vivas 2012, os Gogol Bordello fizeram levantar o pó no ar.

 A sua contagiante energia e densidade musical deram conta de um público que saltou e cantou  ao som de “Start Wearing Purple”, “Immigraniada”, “Sally”, “When Universes Collide”, ou “My Companjera”. Eugene Hutz , o carismático vocalista da banda batizou a cidade de “Party Porto” , clara alusão ao fervor com se dançava nesta noite. Uma festa balcânica, cheia de cor e de energia.

Bom fecho para este 3º dia, com  25000 pessoas no recinto e uma verdadeira mistura musical a servir de pano de fundo, que resultou na perfeição.

Texto: Ângelo Ferreira

Fotos: Miguel Pereira

Fotogaleria (clica nas imagens para aumentar)