O 2º dia do Marés Vivas 2012 arrancou no palco Moche com uns muito competentes The Eleanors. Electro-Rock fresco e indiciante da noite rock & rol que se avizinhava. Slimmy continuou a toada, levando ao palco Moche a sua mão cheia de canções bem construídas e bem cimentadas e uma energia que continua contagiante.

No palco TMN era a vez dos Gun abrirem as hostilidades. Os escoceses trouxeram um rock enérgico mas sem muito conteúdo, embora tenham servido como boa rampa de lançamento para o que se seguiria na noite.

Assim, logo a seguir entraram em palco os The Cult, banda com muitos fãs no recinto do Marés Vivas e que depois de uma entrada muito tribal levantaram poeira com uma mão cheia de canções rock musculadas e bem conhecidas do público. Ian Astbury, o carismático vocalista da banda inglesa, dedicou uma das canções a uma very sexy lady, referindo-se á também carismática Shirley Manson, dos Garbage, que viriam a seguir. Neste concerto poderoso dos The Cult não poderia faltar a imprescindível “She sells Sanctuary”, uma canção que se reconhece aos primeiros sons e que fez o público do Marés entrar em êxtase e a cantar e saltar incansavelmente.

A noite já ia longa quando surgiram em palco os Garbage, a fantástica banda inglesa que faz rock para entreter e fá-lo muito bem. Shirley Manson continua provocante como sempre, a instigar o público com alusões ao seu lendário mau génio. “Paranoid”, “Only Happy When It Rains” ou “Stupid Girl” foram alguns dos hits  muito bem tocados e recebidos pelo público que delirava com as atitudes de Shirley Manson e fizeram  deste concerto um sucesso , com a casa já cheia.

A terminar o 2º dia do Marés Vivas 2012, os fantásticos Kaiser Chiefs, a entrar ao som the “Money for Nothing” dos Dire straits. A banda foi novamente muito bem recebida no Marés Vivas, depois do concerto da edição de 2009 ter sido bombástico e inebriante, este não lhe ficou nada a dever. O já longo romance da banda com Portugal e com o Porto fez com que este concerto fique na história como um dos melhores da edição deste ano, dada a energia, a força de palco e a entrega dos Kaiser Chiefs a este concerto. Houve ainda tempo para mais uma daquelas traquinices de Ricky Wilson, o vocalista da banda de Leeds, com este a subir a encosta ao lado do palco, desafiando o publico e as regras e regressando com uma cerveja que foi buscar à tenda de bebidas mais próxima. Desfiaram todos os hits e mais alguns, novos temas e sobretudo uma energia contagiante e muito rock & roll, fechando de uma forma perfeita este 2º dia do Marés Vivas 2012.

A afluência de público foi maior que no 1º dia, registando-se 25 mil pessoas presentes no recinto. A noite estava fria mas depressa aqueceu e pegou fogo com a toada rock que atracou na praia do cabedelo.

Texto: Ângelo Ferreira

Fotos: Miguel Pereira

Fotogaleria (clica nas imagens para aumentar)