Durante este fim de semana, 16 e 17 de maio, o Muro vai estar em festa com a 2.ª edição da Festa de Rua. A iniciativa, organizada pela Junta de Freguesia, vai animar a praceta de S. Cristóvão do Muro, local escolhido para o certame.

Cerca de 50 pessoas, divididas pelos “muitos stands” vão marcar presença na Festa de Rua que decorre sábado e domingo. Durante o fim de semana quem passar pela freguesia do Muro não vai ficar indiferente ao ambiente criado pela Junta de Freguesia, com o objetivo de “valorizar os talentos das pessoas da terra”.

De Guimarães, Braga ou Famalicão, os expositores ultrapassaram as fronteiras da freguesia e do concelho, tendo-se apercebido da iniciativa “através do Facebook e do outdoor junto ao local que acolhe a iniciativa”. Artesanato, velharias, gastronomia e bijuterias são alguns dos artigos expostos neste certame. “A parte da restauração aumentou muito com produtos gourmet, compotas, doces tradicionais, licores, sumos naturais e bombons”, contou Conceição Campos, elemento da Junta de Freguesia do Muro.

O evento abre portas às 15 horas de sábado com a “atribuição dos diplomas de participação”. À noite, às 21 horas, o grupo de aeróbica da Associação Recreativa Juventude do Muro será o primeiro a atuar, seguindo-se a Banda Vitor Tiago e Ni (21.30 horas) e o Alvadance (22 horas). A noite não termina por aí, pois está ainda preparado um desfile de moda dinamizado pela loja “Charme: Moda e Acessórios”, seguindo-se a animação a cargo da Banda de Rua.

No domingo, às 10.30 horas, é a Escolinha de Rugby da Trofa que inaugura a animação do dia. Segue-se a Muro de Abrigo, às 15 horas, e a EB1/JI do Muro, que marca presença com as crianças a “apresentar uma peça de música”. A última atuação fica a cargo do Grupo de Danças Tradicionais de São Cristóvão do Muro.

De acordo com Conceição Campos, “a animação vai ser constante”, sendo que todas as associações da freguesia vão marcar presença na Festa de Rua. “Nós não convidamos ninguém de fora, a animação está entregue a pessoas da freguesia. Ninguém leva dinheiro nenhum por isso, é mesmo por divertimento, por amor à terra e por acharem que isto realmente é um grande evento”, salientou, acrescentando ainda que “há grupos de pessoas que se formaram, e que gostam de música, para dar o espetáculo” e isso, disse, “é de uma riqueza incalculável”.

Esta é também uma “grande fonte de receitas” para algumas das associações como é o caso da delegação da Trofa da Cruz Vermelha Portuguesa, da Muro de Abrigo, da Comissão de Festas, entre outros.

Aproveitando que é já este fim de semana que decorre a Festa de Rua, Conceição Campos deixou um convite à população: “Apareçam, porque temos de estar todos juntos e vai valer a pena. A noite de sábado vai ser muito intensa” apelou, frisando que “os preços não são elevados” e que a “gastronomia vai ser apetecível”.