quant
Fique ligado

jonati

Edição 410

Festa de carnaval no Muro com casa cheia

Publicado

em

O Grupo de Jovens Juventude Sem Fronteiras do Muro organizou, na noite de segunda-feira, dia 11 de fevereiro, uma festa dedicada ao Carnaval, que contou com um concurso de máscaras.

 As fitas, serpentinas e balões colocados em todo Salão Paroquial do Muro, compunham o cenário da festa dedicada ao Carnaval, que o Grupo de Jovens Juventude Sem Fronteiras do Muro organizou com o objetivo de “trazer animação e diversão à população”. O espaço foi pequeno para acolher as centenas de pessoas, que aceitaram o desafio lançado pelo grupo para participar ou assistir ao desfile de máscaras.

Primeiro foram as crianças a desfilar: uma pequena Capuchinho Vermelho, um Ninja, um Pintor, Espantalhos, Chineses, Princesas, um velho amante da Capoeira e até o PSY, acompanhado por uma das suas bailarinas, interpretou a tão conhecida música Gangnam Style.

Já na categoria dos adultos, além dos habituais disfarces, a sátira esteve bem presente. Exemplo disso foi o “Melhor Caçador do Ano”, que foi até à Assembleia da República tentar apanhar o Coelho que por lá andava. A “Bruxa da Trofa” também deu o ar da sua graça e aproveitou para declamar um poema.

O júri, composto por Carlos Martins, presidente da Junta de Freguesia do Muro, Fátima Silva, presidente da Muro de Abrigo, Albino Duarte, representante do Conselho Económico da paróquia de S. Cristóvão do Muro, Maria Dolores, representante dos pais, e Carlos Daniel, elemento do Grupo de Jovens JSF do Muro, teve a difícil tarefa de eleger os três primeiros prémios de cada categoria.

Na categoria das crianças, a pequena Capuchinho Vermelho foi a vencedora, seguida dos Espantalhos (2º) e do Pintor (3º). Já nos adultos, o primeiro prémio foi entregue “Caçador de Coelhos”, que também ganhou o de “Melhor performance”, o 2º ao “Passos Coelho” e o 3º à “Bruxa da Trofa”.

Como todos os anos existe performances que superam as máscaras, o Grupo de Jovens decidiu também distinguir os concorrentes que, com piadas e/ou brincadeiras que levam para cima do palco, se destaquem dos restantes.

Publicidade

Segundo Pedro Santos, presidente do Grupo de Jovens Juventude Sem Fronteiras do Muro, a festa de Carnaval é uma atividade “habitual” que, juntamente com o desfile, já se realiza “há pelo menos dez anos”. A “adesão da população” e os pedidos para que seja feita todos os anos, motiva o Grupo de Jovens a “continuar” com esta tradição na freguesia, que realiza com “muito gosto no mesmo dia e à mesma hora”. “Já temos quase participantes fiéis que já fazem a sua vida em função de participar na festa”, afirmou.

Para o presidente do Grupo de Jovens, o balanço desta iniciativa era “bastante positivo”, embora este ano estivessem “menos pessoas inscritas”. “Temos sempre mais crianças inscritas e mesmo adultos. De ano para ano tem vindo mais gente assistir e menos gente a inscrever-se. Se calhar é por termos alguns participantes com máscaras mesmo muito boas e as pessoas começam a ter medo”, denotou.

Nos próximos dias, Pedro Santos espera ouvir o feedback da festa por parte da comunidade, que vai dando sempre a sua opinião daquilo que “correu mal, bem e o que devíamos ter”. É desta forma, que o Grupo de Jovens “tenta sempre envolver mais” as pessoas.

No final, o presidente agradeceu ao júri, aos concorrentes e aos convidados, que participaram com uma “pequena atuação”, nomeadamente António Araújo, Lúcia, Deolinda que interpretou uma canção de fado, aos Alvadance e aos utentes da Muro de Abrigo.

A próxima “grande atividade” do Grupo de Jovens será a realização do 1º Festival de Coros associados a Grupo de Jovens, que vai contar com a participação de quatro grupos “não só de jovens, mas que tenham uma componente de Grupo de Jovens”, para que todos estejam em “pé de igualdade”. Os coros de Vizela, Barcelos, Braga e um Movimento Nacional são os que vão atuar na noite do dia 27 de abril.

Pedro Santos contou que, além de “trazer coros de todo o País”, o objetivo desta iniciativa é angariar verbas que possam “reverter para alguma obra na freguesia”. Para isso, a entrada para assistir ao espetáculo terá um preço monetário a definir. “Nunca foi feito aqui, nem conhecemos nenhum festival do género aqui perto. Vai ser um grande evento”, concluiu.

Publicidade
Continuar a ler...
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Edição 410

Espetáculo musical para angariar verbas

Publicado

em

Por

O Grupo de Jovens Paroquial da Trofa está a promover o espetáculo musical “Rei Leão”, levado à cena pela ACRESCI, no dia 23 de fevereiro. Verbas angariadas revertem a favor da peregrinação dos jovens ao Vaticano, Roma.

 Simba, filho do Rei Leão Mufasa e da rainha Sarabi, é um pequeno leãozinho que, depois de receber a bênção pelo sábio babuíno Rafiki, cai numa armadilha do seu tio Scar, que apenas se quer livrar do sobrinho para assumir o trono. Com a morte do seu pai, Simba é acusado injustamente e acaba por exilar-se das Terras do Reino, encontrando abrigo junto de outros dois excluídos da sociedade: o javali Pumba e o suricata Timon, que lhe ensinam a filosofia do “Hakuna Matata”, ou seja, viver sem preocupações. Alguns anos depois, Simba é descoberto por Nala, sua amiga de infância, vendo-se obrigado a tomar uma decisão: ou assume as suas responsabilidades como rei ou continua a viver o seu estilo de vida despreocupado.

O espetáculo musical “Rei Leão”, um dos maiores sucessos da Disney, vai estar em cena, pelas 21.30 horas do dia 23 de fevereiro, no salão polivalente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Trofa, onde vai ser apresentado pela ACRESCI – Associação Cultural Recreativa e Social de Cidai.

Esta peça está a ser organizada pelo Grupo de Jovens Paroquial da Trofa, com o objetivo de “angariar fundos” para a peregrinação a Roma, mais concretamente ao Vaticano. O custo do bilhete é de cinco euros e, entre outros locais, pode ser adquirido no Cartório Paroquial e na ACRESCI.

As expectativas de Nuno Duque, responsável pelo Grupo de Jovens Paroquial da Trofa, é “encher o salão polivalente”, que tem uma capacidade que “ronda as 500 pessoas”.

Como este é o Ano da Fé, o Grupo de Jovens achou que deveria “peregrinar a um lugar de fé”. E, sendo Roma um “lugar de fé por excelência”, avançou-se com a ideia. Para “apoiar” esta ideia, o Grupo de Jovens tem organizado várias atividades, como a “venda de doces” e a “recolha do cartão”. Também já está a ser pensada “uma encenação do Sermão de Santo António aos peixes, do padre António Vieira, e uma peregrinação a Santiago de Compostela”.

Para Nuno Duque, esta é também uma forma de “manter o dinamismo” nos jovens, para que mais tarde, também eles possam “dar alguma coisa deles à comunidade”. “Uma das falhas que a nossa paróquia tinha era a nível de grupo de jovens que era inexistente. Há três anos começamos com o projeto, depois do Crisma, onde pegamos nestes jovens, para que não desaparecessem dos movimentos da comunidade paroquial”, afirmou, salientando que os jovens são “uma mais-valia para a paróquia”.

Publicidade

Com os cerca de “cem jovens” que todos os anos terminam o Crisma, os responsáveis pelo Grupo de Jovens continuam “uma caminhada de integração na comunidade”, onde são “muito importantes”, pois esta “precisa mesmo deles para continuar uma comunidade viva”. Durante estes três anos de existência, têm sido feitas atividades e “aprofundamento de fé”, que Nuno Duque considerou que estão a ser “bem-sucedidos”, tendo neste momento “dois grupos de jovens já muito sólido”.

Um dos projetos desenvolvidos é o SOS Sós, onde, mensalmente, os jovens fazem acompanhamento de pessoas idosas que vivam sozinhas. Até agora, o projeto “SOS Sós” tem tido um feedback “positivo” e os jovens têm mostrado “interesse” nesta atividade.

Quanto à peregrinação a Roma, que será “mais centrada no Vaticano”, o responsável denotou que servirá para os jovens “conhecerem a realidade e virem de lá de alguma forma tocados”. “Os jovens funcionam mais ou menos por impulsos. Nós vamos tocando e eles vão dando respostas, interiorizando e sentindo cada vez mais”, concluiu.

 

Continuar a ler...

Edição 410

Guidões queima “Relvas” e diz não à agregação ( C/Video)

Publicado

em

Por

queima-entrudo-guidoes-185

queima-entrudo-guidoes-185

Mesmo com a promulgação da Lei da reforma administrativa, o povo de Guidões não desiste da luta pela não agregação da freguesia. No sábado à noite, condenou o entrudo chamado Relvas à fogueira.

 Numa noite fria, quis o destino que o entrudo tivesse um julgamento ardente, em Guidões. A sentença daquele a que chamaram Relvas, proferida em verso, não podia ter sido mais severa: “O Relvas é o velho,/ o Entrudo sem serventia./ Queremos gente nova e boa/ de outra estirpe e valentia./ O Relvas quis matar a freguesia/ porque é mau, o malandrão,/ mas bateu nesta muralha de guidoenses que resistirão./ Face a este grande malefício/ Prender apenas não bastará./ Assim irá para a fogueira,/ Onde lentamente arderá”.

O povo não perdoou o réu por todos os malefícios cometidos como a reforma administrativa e por isso o desfecho desejado foi manifestado em plenos pulmões, inspirado em Almada Negreiros: “Morra o Relvas, morra. Pim”.

O acusado bem tentou convencer o tribunal do povo, também em verso: “Já tenho licenciatura/ Agora sou um doutor/ Tenho montes de cultura, já sou ministro/ E o um homem de grande valor./ Da RTP me quero abarbatar/ As freguesias pretendo afanar/ Da TAP desejo abotoar/ A água quero gamar/ Aos portugueses aldrabar/ Para deles todos me alapardar/ Embora digam que não/ Sou inocente, pois então/ À fogueira não devo ir parar”.

Mas os argumentos não convenceram e a fogueira foi mesmo o destino do entrudo chamado Relvas. Tradição interrompida por largos anos, a queima do galheiro foi recuperada em Guidões e sustentada pela luta do povo contra a extinção da freguesia.

De uma forma “simbólica”, o entrudo ganhou como nome o apelido do ministro Miguel Relvas, autor da “brilhante ideia da reforma administrativa”, explicou Atanagildo Lobo, membro da Comissão de Luta contra a extinção da freguesia de Guidões. Ao entrudo o povo quis queimar “para ver se lhe tirava todas características malévolas que ele tem e a ver se de alguma forma expurgar todo o mal que ele tem feito”. “O Relvas também simboliza o poder deste Governo que tem feito tão mal não só às freguesias como a todo o povo português. É o responsável pela situação que estamos a viver e pelo agravamento cada vez mais substancial das condições de vida dos mais carenciados”, frisou.

Publicidade

Como se de uma verdadeira festa se tratasse, na qual não faltaram as farturas e a queimada galega, a queima do galheiro foi um pretexto para mostrar que nem a promulgação da lei da reforma administrativa, na qual consta a agregação de Guidões a Alvarelhos, calará o povo. Atanagildo Lobo afirma que “até ao lavar dos cestos é vindima”, por isso “embora a sua excelência o senhor presidente da República a tenha promulgado, falta a concretização da lei na prática, ou seja, implantá-la”. “Esta queima do entrudo vem no sentido de continuar a alertar à consciência dos guidoenses que ainda não está tudo perdido. Ainda acreditamos que este Governo possa cair, que o Relvas se possa demitir, que alguém se possa enganar, que quando vierem cá não arranjem ninguém para conseguir pôr a lei a funcionar, pois pode haver resistências por parte do poder autárquico, que tem a sua legitimidade no povo e no voto popular”, acrescentou.

queima-entrudo-guidoes-113

Junta de Freguesia e ex-deputado apoiam população

Quem também acha que a luta não é em vão é Agostinho Lopes, guidoense e ex-deputado comunista na Assembleia da República. O histórico do PCP relembrou a revolução liberal e a reforma administrativa de Mouzinho da Silveira, que “extinguiu vários concelhos por todo o país e passados 250 anos, bastou a liberdade do 25 de Abril para que esses concelhos tornassem a aparecer, como o caso de Vizela”. “Não tenho qualquer dúvida que esta é uma tentativa de mudança política que podem aprovar o que quiserem que a vontade do povo vai ser mais forte e vai acabar por vencer”, sublinhou.

A Junta de Freguesia de Guidões, representada por Manuel Araújo, “vice” de Bernardino Maia – que não esteve presente por estar a recuperar de uma cirurgia – também está do lado do estado de espírito da população. “Os cenários que nos apresentaram são desoladores, contra a nossa vontade, contra os nossos antepassados. Alguém que, por seu livre apetite, esquece toda a ternura que as pessoas têm pelo seu território, merece a revolta daqueles que perdem a sua estrutura. Não merecem aquilo que temos para dar quando precisarem de nós. Deixamos uma palavra de apoio a todos os guidoenses, para que nunca se esquecerem da sua terra e para dizerem aos mais novos que Guidões tem uma história digna de ser contada”, referiu.

 

Comissão de Luta não vai parar de reivindicar

A queima do galheiro não significa o fim da luta dos guidoenses. Atanagildo Lobo afirma que “esta não foi uma iniciativa saudosista do passado, mas aproveitando as tradições para projetar a luta no futuro”. “Mesmo na eventualidade de conseguirem impor esta chamada União de Freguesias, continuaremos a lutar para voltar atrás. Assim como se consegue a agregação, também se consegue a desagregação”, sublinhou.

Publicidade

A iniciativa que atraiu centenas de pessoas contou com a interpretação do hino da freguesia, composto entre 1956 e 1957, por Augusto Lobo e Aníbal Pinto. Os antepassados guidoenses também não foram esquecidos numa homenagem simbólica. E para fazer a luta chegar mais longe, foi lançado um balão que iluminou o céu de Guidões.

Para dar eco à manifestação, a Comissão de Luta distribuiu bandeiras com o brasão de Guidões e muitas delas estão agora nas janelas e varandas das casas um pouco por toda a freguesia.

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também

} a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);