Entre sábado e domingo o Parque Nossa Senhora das Dores vai acolher a Feira da Protecção Civil, que tem como principais objectivos “educar para a prevenção, promover uma cidadania activa, identificar riscos e promover atitudes adequadas em situações de emergência”. Em declarações ao NT, António Pontes, vereador do pelouro da Protecção Civil, afirmou que a iniciativa terá como “pilar” os Bombeiros Voluntários da Trofa e focará as suas demonstrações nos mais novos.

 Dar a conhecer a pequenos e graúdos a actividade da protecção civil no concelho é o principal objectivo da Feira que se vai realizar este fim-de-semana no Parque Nossa Senhora das Dores. Desde a segurança rodoviária à actividade dos bombeiros muitas são as demonstrações que farão parte do programa deste evento que, segundo António Pontes, vereador do pelouro da Protecção Civil, servirá como instrumento “sensibilizador” a todas as pessoas que quiserem estar por perto da realidade da protecção civil da Trofa, com “enfoque” para as crianças e jovens que “são os cidadãos de amanhã”.

A actividade para os mais novos estará mais guiada para a segurança rodoviária, “aspecto absolutamente crucial nos tempos que vão correndo”, considerou António Pontes, sublinhando que “é bom que eles se sensibilizem para algumas boas práticas que devem ter durante toda a sua vida”. As crianças e jovens poderão aprender algumas medidas preventivas através do 5º Colóquio sobre Segurança Rodoviária – “Primeiro a Segurança” e de pistas de condução especialmente preparadas para os mais pequenos. Haverá ainda simuladores de capotamento e choque frontal e simuladores de condução de motas.

Fomentar uma “melhor postura cívica” perante a sociedade é uma das metas desta iniciativa que terá como “pilar” o corpo dos Bombeiros Voluntários da Trofa.

Sábado será o dia mais importante da Feira, em que serão concentrados “todos os esforços” num trabalho especialmente dirigido às crianças. Serão também abordadas outras áreas para “apelar à maior sensibilidade dos adultos e seniores do concelho”. A questão dos incêndios florestais será uma das mais importantes, não estivesse a chegar a época mais propícia à ocorrência destes sinistros.

“É fundamental que todos tenhamos algumas noções muito práticas do que devem ser os nossos comportamentos e as nossas posturas perante as situações que se colocam sobretudo durante este período do ano”, referiu o vereador.

Actualmente o país encontra-se na Fase Bravo do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais, que começou no dia 15 de Maio e que se estende até a 30 de Junho. Este período engloba 6180 recursos humanos, 1457 recursos técnicos terrestres, 24 meios aéreos e 70 postos de vigia de 12 organismos de Estado, de entidades e de instituições privadas.

A Feira da Protecção Civil vai também dar a conhecer algumas práticas ambientais que se dizem “correctas”, no sentido de “cuidar e prevenir problemas a nível da protecção civil”. Alertar para os problemas inerentes à deposição clandestina de resíduos, prática que afecta muitos espaços verdes do concelho, é outra das metas da organização deste evento. “Vamos falar sobre a requalificação da nossa floresta e sobre a rentabilidade que naturalmente podemos tirar daí”, sustentou António Pontes.

Na Feira da Protecção Civil serão ainda dadas a conhecer um conjunto de entidades que têm dispositivos montados a nível da protecção civil quer no concelho quer em outras de âmbito distrital e nacional. “Os Bombeiros Voluntários da Trofa são uma entidade de maior relevância e vão estar presentes também para mostrar aquilo que fazem. Estarão também algumas empresas da área de artigos da protecção civil e equipamentos da protecção civil, pelo que considero que estão reunidas as condições para que seja um evento abrangente”, asseverou.

De entre os objectivos que motivaram a promoção deste evento estão a necessidade de “educar para a prevenção, promover uma cidadania activa, identificar riscos e promover atitudes adequadas em situações de emergência”.