Eduardo Fernandes abandona S. Romão devido a divergências com direcção

“O presidente é uma pessoa mal formada”

Eduardo Fernandes abandonou o comando técnico do S. Romão, acusando o presidente Adélio Maia de “não ser uma pessoa séria” e de não lhe dar condições para prosseguir o trabalho com a equipa. O presidente, por sua vez, afirmou que o ex-treinador é “homem por fora, mas oco por dentro” e já escolheu o substituto, José Carvalho, nada mais nada menos o mesmo que Fernandes tinha substituído à décima jornada.

Depois de ter conseguido com que o Futebol Clube S. Romão saísse da última posição da 2ª Divisão, série 1, da Associação de Futebol do Porto, Eduardo Fernandes “bateu com a porta”, devido a divergências com a direcção do clube.

A saída foi confirmada depois do empate com o Pasteleira, no passado domingo, e o treinador, para além de reivindicar o ordenado do mês de trabalho que ainda não recebeu, apontou ainda outras divergências com o presidente Adélio Maia.

Em entrevista ao NT, Eduardo Fernandes acusou o responsável pelo S. Romão de “não ter dignidade” e de ser “uma pessoa mal formada”.

O atraso para o pagamento do ordenado foi a “gota de água” para que Eduardo Fernandes abandonasse o comando técnico da equipa, já que depois de “outras situações” decidiu ficar “pelos jogadores”.

O treinador afirmou que, no que concerne à gestão da equipa, “o presidente nunca causou problemas”, mas também “não lhe dava condições” para que prosseguisse o trabalho que estava a desenvolver e que já tinha dado oito pontos ao S. Romão.

“Marquei um treino para o dia da passagem de ano e ele (Adélio Maia), meia hora antes, fechou o complexo sem me informar, porque não queria que houvesse treino”, contou Fernandes, afirmando que este foi apenas um dos episódios que despoletaram a má relação com a direcção.

O ex-treinador do S. Romão acusou ainda Adélio Maia de ser “um presidente distante” e que “só aparece aos domingos”.

“O presidente é muito pequenino. É uma pessoa que não percebe nada de futebol e quem não sabe estar no futebol não sabe estar na vida”, afirmou Eduardo Fernandes.

O ex-treinador romanense defendeu a sua “dignidade” e afirmou que “se o presidente quer qualidade tem que pagar, mas a verdade é que ele não está preparado nem para pagar ao treinador nem aos jogadores”.

Eduardo Fernandes confessou ainda que “nunca” encontrou uma equipa “tão mal preparada” como a do S. Romão: “os jogadores não sabiam o que era velocidade ou resistência, nem tinham cultura táctica”. Agora diz-se convicto de que “o problema não estava nos jogadores, porque os que somaram sete jogos a perder são os mesmos que alcançaram oito pontos em cinco jogos”.

O técnico garantiu que não volta a treinar o S. Romão, “pelo menos enquanto aquela direcção lá estiver”.

Eduardo Fernandes deixa uma “equipa competitiva” com “jogadores espectaculares”, a quem pediu para “continuar o trabalho desenvolvido”.

Quanto ao futuro, Eduardo Fernandes diz-se “aberto a propostas” e no que respeita a rumores que o colocam no Bougadense, o técnico desmentiu qualquer contacto por parte da direcção do clube.

 

Adélio Maia rejeita acusações

Um dia depois de Eduardo Fernandes abandonar o comando técnico do S. Romão, Adélio Maia explicou, ao NT, que na origem da decisão de Eduardo Fernandes está a falta de pagamento do mês e meio de trabalho. “Já há 15 dias ele disse que ia embora se não lhe pagassem, mas como ganhou ao Águas Santas aguentou-se mais um tempo. Como eu tinha pago o prémio de jogo aos atletas, disse-lhe que só lhe podia pagar na próxima quinta-feira”, afirmou.

“No domingo ele deve-se ter enervado com o empate com o Pasteleira e exigiu o dinheiro no fim do jogo. Como eu não tinha decidiu ir embora”, explicou o presidente.

Adélio Maia acusou Eduardo Fernandes de ser “homem por fora, mas oco por dentro”. “Ele pensava que tinha entrado num Futebol Clube do Porto ou num Trofense, mas o S. Romão apenas vive de contribuições de alguns empresários e das quotas dos sócios e por isso é muito difícil gerir tão pouco orçamento”, sublinhou.

 

Jogadores recusaram ser treinados por José Carvalho

josecarvalhoDepois da saída de Eduardo Fernandes, Adélio Maia prontificou-se a arranjar novo treinador e a decisão recaiu nada mais nada menos naquele que Fernandes tinha substituído na décima jornada, ou seja, José Carvalho. No entanto, quando se preparava para iniciar os trabalhos, esta terça-feira, os jogadores mostraram-se insatisfeitos e recusaram ser treinados por Carvalho, pelo que ficou decidido que “para já ficam a treinar o capitão e o sub-capitão de equipa”, adiantou Adélio Maia, ao NT. O presidente pediu ainda “desculpas” a José Carvalho “pela disponibilidade demonstrada”, mas nada pôde fazer face à indignação dos atletas que ameaçaram abandonar o clube.