quant
Fique ligado

Ano 2012

Extinção de Freguesias: sim ou não

Publicado

em

A Freguesia, durante muitos séculos, teve apenas um papel religioso. Só com o século XIX, em Portugal, depois da Revolução Liberal, é que começaram a ser atribuídas algumas funções civis à Freguesia. Mesmo assim, durante grande parte do século XIX, o poder político hesitou muito se devia ou não reconhecer um papel, na administração pública civil, à Freguesia.

Foi com a Reforma Administrativa de 1835, que surgiu a estrutura civil da Junta de Paróquia, autonomizada da estrutura eclesiástica; os seus limites territoriais, no entanto, eram geralmente coincidentes com os das paróquias eclesiásticas que vinham desde a Idade Média. A Junta da Paróquia tinha funções ao nível da administração das fábricas das igrejas e bens da paróquia.

É na Primeira República, que as paróquias civis são criadas pela lei n.º 88 de 7 de agosto de 1913. A lei n.º 624 de 25 de junho designa-as por Juntas de Freguesia. Deixam de ter competências de carácter religioso. As suas novas funções são de carácter civil: administração dos bens paroquiais móveis e imóveis, elaborar posturas do âmbito da Freguesia. Com a Lei n.º 621, de 23 de junho de 1916, as paróquias civis passam a designar-se Freguesias (e a Junta de Paróquia passa a designar-se Junta de Freguesia), fixando-se assim a diferença entre a estrutura civil (Freguesia) e a estrutura eclesiástica (paróquia).

O quadro administrativo das Juntas de Freguesia só foi fixado definitivamente pelo Código Administrativo de 1940. Mas, a Freguesia só se consolida no sistema português de Autarquias Locais, a partir de 1978. De então para cá, nunca mais foi posta em causa e, com algumas variantes, foi-se mantendo como Autarquia Local, mas sempre com escassa autonomia financeira.

A Reforma Administrativa, proposta, pelo atual Governo, no “Documento Verde da Reforma da Administração Local”, com a eliminação drástica de Freguesias, mais de um milhar, reduz a participação política, elimina a proximidade entre os titulares dos órgãos públicos e os cidadãos, retira expressão aos interesses locais.

É necessário rever a divisão administrativa do País e o financiamento às Freguesias. A alteração à divisão administrativa e à lei das finanças locais existente em Portugal, é matéria urgente que, apesar de necessária, tem sido adiada sucessivamente porque mexe com paixões e direitos adquiridos e mobiliza multidões.

É preciso reduzir despesas ao nível do aparelho do Estado, para libertar verbas e melhor aplicá-las. A revisão da divisão administrativa do País, feita na perspectiva de rentabilizar meios técnicos, humanos e financeiros, que possibilitem uma melhor prestação de serviços às populações, certamente que levará à redução do número de Autarquias em Portugal e consequente redução de despesas com a estrutura, meios de comunicação, encargos com eleitos e pessoal.

Freguesias: sim ou não, é a decisão que se espera do poder político e não quantas Freguesias. Se a decisão política for positiva quanto à existência de Freguesias, quais as suas atribuições e competências e os seus recursos financeiros, que devem ser ampliados e reforçados. A não se verificarem estes pressupostos, a extinção deste tipo de Autarquia será uma solução, provavelmente, com menor resistência e menos ruturas sociais violentas.

Publicidade

José Maria Moreira da Silva

moreira.da.silva@sapo.pt

www.moreiradasilva.pt

{fcomment}


Publicidade
Continuar a ler...
Publicidade
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Ano 2012

Verbas da Câmara para as obras da Junta tema da Assembleia

Publicado

em

Por

Na sessão ordinária de dezembro da Assembleia de Freguesia de S. Romão foram aprovados o Plano de Atividades e Orçamento para 2013.
Informação sobre a reunião do executivo e membros da Assembleia de Freguesia com Joana Lima sobre as “transferências deliberadas em maio de 2009 e destinadas à remodelação da Casa Quinta de S. Romão” provocou divergências.

(mais…)

Continuar a ler...

Ano 2012

Assembleia de S. Mamede – Documentos previsionais aprovados com abstenção do PSD

Publicado

em

Por

Na sessão ordinária da Assembleia de Freguesia de S. Mamede do Coronado foram aprovadas, com a abstenção do PSD, as propostas para o Plano de Atividades, PPI, Orçamento e Mapa de Pessoal para 2013.

O Plano de Atividades, o Plano Plurianual de Investimentos (PPI), Orçamento e Mapa de Pessoal para 2013 estiveram em discussão na última Assembleia de Freguesia de S. Mamede do Coronado, que decorreu na quinta-feira, dia 20 de dezembro.

(mais…)

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também

} a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);