Trata-se de uma mostra que reúne mais de 40 obras produzidas nos últimos dez anos e que conta também com um número significativo de novos trabalhos que vão agora para Espinho, com organização da Galeria Zeller.
“O que haverá em comum entre um diplomata dentro de um carrinho de bebé; um Jesus que já consegue apontar soluções à mesa durante a ‘primeira e última ceia’; uma Medusa que perdeu a cabeça entre ‘outros mortais’ ou o discurso eloquente ‘sobre o Estado da Cultura’ (de tomates)”? Estas são apenas algumas perguntas a que a exposição dá resposta.
Além da pintura, e integrado na inauguração, a iniciativa vai promover ainda uma sessão única do vídeo PANGEA, que será apresentado pela primeira vez ao público. A obra “reflete o processo e os mesmos interesses temáticos” da pintura de Martinho Dias, tendo como material de base “postais turísticos, jornais e hinos nacionais”. A obra inclui 26 países dos cinco continentes; países desenvolvidos, subdesenvolvidos e emergentes. A banda sonora do vídeo é composta por hinos nacionais de cada um desses países, cantados à capella, e que conta com a participação de cantoras oriundas de cada um desses países. “Escolhi apenas vozes femininas, para conseguir uma sonoridade mais uniforme e por prever que, em alguns países, as mulheres teriam mais dificuldades em colaborar no projeto, por razões políticas – o que se veio a verificar. Nesta colaboração, a carga simbólica que o hino possui, enquanto símbolo máximo de uma nação, manteve-se, mas a canção adquiriu uma nova dinâmica pela riqueza das interpretações”, explicou o artista.
O vídeo PANGEA tem a duração de 50 minutos e a antestreia decorreu em junho de 2014, no festival SCHOK, na Holanda.
A mostra pode ser vista de segunda a sexta-feira, das 10 às 19 horas e aos sábados das 11 às 13 horas e das 14.30 às 19 horas, encerrando aos domingos e feriados.