O Notícias da Trofa (NT): Quantos atletas tem, atualmente, a escola Trofintas?
Henrique Santos (HS): Neste momento temos cerca de 50 meninos inscritos na Escola Trofintas.

NT: Qual a faixa etária predominante?
HS: A escola Trofintas contempla dois escalões (Minis ou Petizes nascidos em 2008/09/10 e Pré-Escolas ou Traquinas nascidos em 2006/07). Apesar de os Pré Escolas serem um grupo ligeiramente maior, não podemos chamar predominância, havendo um equilíbrio entre os dois escalões.

NT: Que competências são trabalhadas nesta escola?
HS: Acima de tudo tentamos cultivar o gosto pela prática do jogo. Esta é a primeira etapa de formação dos atletas do departamento de formação do CD Trofense. Apesar de sermos uma escola com caráter mais recreativo e aberta a todos os interessados, existe uma preocupação da nossa parte em ajustar o modelo de jogo do departamento de formação à escola, para facilitar o futuro daqueles que vão ingressar na vertente competição.
Temos como filosofia, explicar e ensinar o jogo como um todo, contudo com o desaparecimento do futebol de rua, sentimos necessidade de nos preocuparmos mais com a relação do atleta com a bola, adaptando assim o processo ensino-aprendizagem ao nosso contexto social e geográfico.
Além do “jogar”, também nos preocupamos com outras vertentes. O percurso escolar do nosso atleta é, para nós, muito importante e no sentido de potencializar as suas capacidades criamos estratégias, entre elas a caderneta do jogador, que permite uma relação Trofintas-Pais-Escola. Com este documento, conseguimos acompanhar melhor o percurso e as notas dos nossos meninos nas respetivas escolas, permitindo estar atento a casos mais “preocupantes”, bem como premiar casos de sucesso.
Outra das competências, passa por criar um gosto e uma relação com o Clube Desportivo Trofense. Tentamos criar com os nossos meninos, uma “segunda” família, onde tentamos acompanhar o plantel sénior bem como outros escalões do departamento de formação.
O lema “Nós Somos Trofense” também faz parte da nossa Escola Trofintas.

NT: Qual a importância do acompanhamento dos pais nas atividades desenvolvidas pelas crianças?
HS: Os pais são fundamentais em todo o processo, mas tal como nas outras modalidades e até nas escolas que frequentam, cada um tem o seu papel. Na nossa escola, os pais são ouvidos e consultados sempre que necessário, mas a função de ensinar e treinar é do professor que está com o grupo. Os nossos pais percebem isso perfeitamente e não misturam as coisas.
Felizmente temos um grupo de pais fantástico, que nos acompanha e estão sempre prontos para ajudar no que for preciso. Têm sido fundamentais, principalmente no que ao transporte diz respeito.

NT: Que atividades são desenvolvidas ao longo da época na Trofintas?
HS: Na nossa escola, tentamos proporcionar aos nossos meninos atividades relacionadas com o futebol, mas não só.
Posso dizer, que tentamos ter sempre jogos ao sábado, sejam eles no âmbito dos torneios da Associação Portuguesa de Escolas de Futebol (APEF) ou de encontros particulares, agendados entre nós e outras escolas/clubes. Já começaram também as Trofíadas, nas quais também participamos, com jogos a partir do dia 4 de abril.
Tentamos também criar uma relação muito forte com o plantel sénior. Os nossos meninos, nos jogos em casa, entram com os jogadores, tentamos organizar momentos de apoio durante os jogos e também fazemos alguns minijogos durante os intervalos dos jogos na Trofa. Sempre que possível, eles (seniores) retribuem e visitam os nossos treinos, convivendo com os nossos meninos e distribuem autógrafos e fotos.
Festejamos datas importantes, tal como Dia do Pai, da Mãe e Dia Mundial da Criança.
Para além destas, temos outro tipo de atividades a serem programadas até ao final da época. Tal como no ano passado, teremos um acampamento no final da época, teremos uma ida à praia e estamos também em contactos para realizarmos uma atividade no Aquaplace e Clube Slotcar da Trofa.