vencedores-carnaval

Com a Câmara edificada, um novo candidato às próximas eleições na Trofa e a sátira às dívidas da autarquia, o grupo de Alvarelhos convenceu o júri e venceu o Carnaval da Trofa 2010. As escolas e jardins-de-infância seguiram o tema da “alimentação saudável”, vestiram-se a rigor e espalharam os aromas dos cozinhados pelas ruas da cidade.

À hora marcada, o som dos tambores do Grupo Popular Os Zés Pereiras da Trofa marcava início do maior desfile de Carnaval da Trofa. Atrás, entre serpentinas e confetis, as crianças das escolas e jardins-de-infância do concelho exibiam as fatiotas elaboradas à imagem do tema proposto pela autarquia trofense para a edição deste ano. A “alimentação saudável” inspirou crianças, pais e educadores e, fiéis à temática, miúdos e graúdos “vestiram-se” dos ingredientes que constam na roda dos alimentos e mostraram o que de melhor se come nas cantinas.

Os aromas dos cozinhados pairavam no ar das ruas da Trofa, onde não faltaram as frutas, os legumes, o pão, a água, o peixe e até os inspectores da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) para certificar que na Trofa se come de forma saudável. Os chefes de cozinha de palmo e meio ditaram os segredos das receitas mais saudáveis.

Entre o Estádio do Clube Desportivo Trofense e o Parque Nossa Senhora das Dores, milhares de pessoas ladeavam a Estrada Nacional 14, que serviu de passerelle para um mega desfile, onde a criatividade superou expectativas e a sátira arrancou gargalhadas e sorrisos ao público.

Um pouco alheios ao tema da alimentação saudável, os grupos de trofenses que participaram no desfile também aprimoraram os carros alegóricos e as fantasias. Entre os temas que serviram de mote à sátira carnavalesca não faltaram os Paços do Concelho, as dívidas da Câmara, os animais abandonados nas ruas da Trofa, a queima do Entrudo e o casamento homossexual.

À semelhança de todos os anos, a competição foi renhida, mas pelo segundo ano consecutivo o grupo de Alvarelhos conseguiu a proeza de arrecadar o primeiro prémio. Com vários carros alegóricos e cerca de meia centena de foliões, o grupo quis trazer “uma mensagem de esperança e boa disposição” ao Carnaval da Trofa. A garantia é de Adelino Maia, representante do grupo alvarelhense que, no final do desfile, confessou que se não ganhasse “seria uma desilusão”. Para o palco do desfile, trouxeram aquele que projectam como o futuro edifício da Câmara Municipal, edificado em cima de um tractor, seguido pelos buracos deixados dos tempos dos dinossauros como analogia às dívidas da autarquia. “Representámos a Câmara com um único objectivo, queríamos ver a Câmara da Trofa situada no centro do concelho”, explicou Adelino Maia.

“Reavivar a tradição antiga da queima do Entrudo” valeu à Associação Recreativa de S. Pedro da Maganha o segundo prémio que, para António Castro, representante do grupo, significou “o reconhecimento do esforço e trabalho” realizado. A história do “Rei que traiu a Rainha do Reino Carnavalesco da Maganha” serviu de inspiração para os cerca de 12 foliões de Santiago de Bougado e, por isso, o rei foi condenado à morte na fogueira no Largo de S. Pedro, na terça-feira à noite.

Os cães e gatos a retratar o tema dos animais abandonados convenceu o júri para atribuir o terceiro prémio à Associação de Pais da EB1 de Cidai. Para Luís Dias, que no desfile encarnava a personagem do “Zé do Canil”, o mais importante era participar e divertirem-se, mas ainda assim o segundo prémio, no valor de 150 euros, caiu como “ouro sobre azul”.

Para o júri, escolher os três primeiros classificados não foi tarefa fácil e a qualidade das fantasias foi uma surpresa. Para Natália Soares, membro do júri em representação da Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado, a escolha foi difícil “pela qualidade”. “Os três primeiros classificados foram justos, o possível quarto prémio (Escola de Samba Starkids) perdeu por um ponto, mas a opinião foi unânime e o mais transparente possível”, asseverou. A opinião foi reiterada por Miguel Costa, em representação da Junta de Freguesia de Santiago de Bougado, que, parabenizando os vencedores e todos os participantes, não deixou de sublinhar que “as escolas é que dão o colorido ao Carnaval da Trofa”.

E como “no Carnaval ninguém leva a mal”, Joana Lima, presidente da autarquia trofense, felicitou os trofenses pela contribuição para que o Carnaval da Trofa “seja um sucesso”. Adepta do espírito carnavalesco desde os tempos de “solteira”, a edil elogiou o empenho de todos quantos participaram e “os carros muito ricos do ponto de vista da sua decoração e caracterização”. “O Carnaval este ano com este tema foi fantástico com as escolas envolvidas. As crianças, através das Associações de Pais, conseguiram caracterizar de uma forma notável os alimentos que são importantes para uma alimentação saudável”, realçou. Joana Lima garantiu garantiu ainda que a autarquia “vai apostar num Carnaval mais forte”, para a Trofa “estar no lugar em que esteve há muitos anos, quando tinha um dos maiores carnavais do Norte”.