escuteiros-santiago 

O Agrupamento de Escuteiros de Santiago de Bougado juntou-se com os elementos da Fraternidade Nuno Álvares para um convívio anual, que se realizou na Casa da Montanha, em S. Gens, no passado sábado.

O escutismo só não é uma religião, porque Baden Powell não quis. Esta é a convicção de Luís Neves Dias, chefe do Agrupamento dos Escuteiros de Santiago de Bougado, em declarações ao NT no dia em que se celebrou a Festa da Fraternidade e, em simultâneo, um convívio anual com todos os escuteiros da freguesia.

A força que o escutismo continua a ter, em tempos de revolução tecnológica e com uma imensidão de actividades para os jovens, faz crer que este movimento tem muito mais valor do que se calhar é reconhecido por quem se mantém longe desta filosofia.

A chuva que não foi incómoda para os elementos e família do Agrupamento, que encheram a Casa da Montanha, em S. Gens, pintou o cenário de um encontro entre jovens e antigos escuteiros. A Fraternidade Nuno Álvares (FNA) foi criada para que a porta do escutismo nunca se fechasse àqueles que ultrapassem a idade do caminheirismo, 25 anos.

“Os que ultrapassam a idade ou recebem formação específica para ensinar os mais novos, ou continuam a sua vida civil com todos os ensinamentos que aprenderam. Os que ainda sentem o ‘bichinho’ podem continuar integrados na FNA”, explicou Luís Neves Dias.

Este movimento que foi fundado em Santiago de Bougado há três anos “está a crescer”, segundo o chefe do Agrupamento, e “vai continuar, porque os elementos estão a trabalhar muito”.

Estes amantes do escutismo têm sido uma ajuda essencial para o Agrupamento: “Continuam a participar nos eventos, continuam a ajudar, o que para nós é uma mais-valia, uma vez que temos actividades como acampamentos, em que temos falta de recursos humanos e assim podemos recorrer a esses elementos”.

A Festa da Fraternidade serve para “matar dois coelhos numa cajadada só”, já que, para além de contribuir para o convívio dos jovens e dos mais velhos, serviu para assinalar a festa anual do Agrupamento, uma espécie de “magusto” dos escuteiros.

O escutismo tem muito valor”

O grupo de Santiago de Bougado “está bem e recomenda-se”, sublinha Luís Neves Dias. “Estou muito satisfeito com o rumo que o nosso Agrupamento está a tomar. Estou há seis anos como chefe e voltei a ser eleito, porque não havia mais ninguém que quisesse assumir esse papel, mas não custa nada ser chefe deste Agrupamento. Posso dizer que tenho a felicidade de ter um grupo de dirigentes espectacular que me inspira confiança e trabalha bem”, referiu.

Com 110 elementos neste momento, o Agrupamento “tem vindo a progredir”, segundo o responsável. “A nossa média há uns anos atrás andava nos 100, mas tem vindo a subir. Isto, no tempo que estamos e à oferta que temos hoje, só demonstra que o escutismo tem de facto muito valor”.

“Isto é uma escola de formação integral de juventude, isto é juventude que tem a escola, a família, a catequese e o escutismo onde se aprendem caracteres, onde se ensina o espírito da técnica que Baden Powell criou há mais de 100 anos”. Luís Neves Dias foi mais longe e afirmou que “se Baden Powell quisesse, fundava uma religião, tal era a força com que mobilizava os jovens”.

Relativamente a projectos, o Agrupamento de Escuteiros de Santiago de Bougado está à espera que se conclua o Centro Comunitário da freguesia para colmatar a falta de espaço que tem na sede e tem já agendado um “jamboree” (acampamento) no exterior, já em 2010.