Os agrupamentos de escuteiros do concelho da Trofa angariaram 5515 quilogramas de alimentos, que vão ser entregues a famílias desfavorecidas.

Na Trofa, a campanha de angariação de alimentos para o Banco Alimentar conseguiu recolher 5515 quilogramas (kg) de alimentos, no fim de semana de 30 de novembro e 1 de dezembro. Um número mais baixo do obtido na recolha do ano passado, na mesma altura (6809 kg). A nível distrital, foram angariados 453.816 kgs de alimentos.

No domingo de manhã, alguns exploradores dos escuteiros de Santiago de Bougado estavam em frente ao Intermarché da Trofa a entregar sacos do Banco Alimentar e a recolher os alimentos doados. João Dias, 13 anos, era um dos “angariadores” de serviço e sentia-se “bem” no papel. “Estou a ajudar alguém e no fim do dia é uma sensação de dever cumprido”, frisou.

A manhã de domingo estava a cargo dos exploradores (lenço verde), enquanto os caminheiros (lenço vermelho) esperavam pela tarde para pôr “mãos à obra”. No dia anterior, já os lobitos (lenço amarelo) e os pioneiros (lenço azul) tinham cumprido o seu dever solidário.

Segundo Luís Neves, chefe dos escuteiros de Santiago de Bougado, cerca de “80 a 90 jovens” do agrupamento estão envolvidos, “duas vezes por ano” nesta campanha. “Todos eles gostam e sabem para o que é que serve esta recolha”, evidenciou.

A recolha decorreu “dentro do expectável”, acrescentou Luís Neves, que considera que “a crise está forte, mas as pessoas sentem que há quem precisa e são sensíveis às necessidades de quem está em pior situação”.

Depois de recolhidos, os alimentos são transportados para um “grande armazém, em Perafita”, onde lhes espera “um mar de gente”. Junto de tapetes onde os alimentos são colocados, os voluntários “separam os artigos por datas”. “Ao longo do ano, são feitos cabazes para serem entregues às instituições de apoio”, explicou Luís Neves.

Os outros estabelecimentos comerciais do género também foram abrangidos pela campanha na Trofa, com a participação de outros agrupamentos de escuteiros do concelho, o de S. Martinho, o de S. Romão do Coronado e o de Alvarelhos.