quant
Fique ligado

Edição 714

Escrita com Norte: Os gatos também miam

Publicado

em

Quando fui buscar uma gatinha bébé a uma associação de protecção de animais, a assistente pergunta-me:

– Sabe que os gatos miam?!
Não tendo percebido a pergunta ela explica que no dia anterior foram entregar um gato, porque miava, e um cão, porque fazia cócó!
Perante esta novidade, hesitei, e pedi se podia lá passar no dia seguinte.

Atarantado, fui directo a uma loja de chineses para comprar um gato de porcelana…não havia. A empregada da loja mostrou-me, em alternativa, um Dálmata em porcelana lustrosa, mas o meu olhar recaía sobre um Falcão em barro, a bom preço, e com a garantia de que não fazia barulho nem satisfazia as suas necessidades fisiológicas…o horror surgiu quando a empregada me diz que se a peça cai, desfaz-se em cacos! O que eu sofreria depois de ganhar afecto ao Falcão… em barro!

Estava dividido entre um animal, que estranhamente reage fisiologicamente como nós, e uma peça de porcelana, que caindo parte-se em mil pedaços. Fui pesquisar e aprendi que no mundo animal os seres emitem sons para comunicar e demonstrar sentimentos e, curiosamente, todo o animal que se alimenta e hidrata, tem um sistema digestivo e urinário por onde expele e desintoxica o corpo!

Com urgência fui falar com a minha mãe, que recentemente tinha adoptado uma gata.

– Mamã, a gata caga! – anuncio-lhe com uma certa aflição e com uma linguagem nada cuidada.

– Tento na língua, Zé! Claro, e tu borravas-te todo quando eras bebé, mais do que a Camila (a gata)!

Publicidade

– E não me devolveste? – pergunto, espantado, com tanta informação nova.

– Devolver a quem? De volta para o escroto do teu pai em forma de espermatozóide?!

Após alguns argumentos e contra argumentos com a minha mãe, percebi que as pessoas de quem mais gostamos dão trabalho para cuidar, mas é recompensador, e isto aplica-se aos animais, também!

De regresso a casa, paro a olhar para o Falcão em barro, instalado na montra dos chineses e a pensar, “Que boa companhia esta ave me faria!”.
Sinto um respirar ofegante. Olho para o chão e vejo um cão de porte médio, a olhar para mim, de língua de fora e com uma expressão de compaixão, como se tivesse pena de mim:

– Eu vivo melhor do que tu, cão! – digo-lhe.

No caminho de casa faço nova paragem, desta vez na associação de protecção de animais, e enquanto espero entra um jovem, casado, a devolver uma gata, explicando que ele até gostava “mais ou menos da gata”, mas… fazia chichi, para pena dele e da mulher! A assistente recebe a gata e afasta-se, lamentando-se. Este jovem há pouco tempo tinha devolvido um pássaro e desta vez devolve uma gata!
Para mim abriu-se uma janela de oportunidade e pergunto:

– Sra. Assistente, posso levar um animal à experiência? Pode ser que tenha a sorte de levar um animal que não faça barulho, nem porcarias!

Publicidade

A assistente, cansada destas situações, telefona para uma clínica psiquiátrica, para denunciar o meu caso, mais um de Estupidez Compulsiva, dos vários que acontecem naquela associação.

Com receio do internamento, fujo a correr para casa, e a 2 metros e 58 centímetros da porta de entrada, tropeço e caio. Quem passava ria-se, e eu, envergonhadamente deitado, mexia os braços e as pernas, para me certificar dos danos motores no meu corpo. De repente sinto uma lambidela no braço…era o mesmo cão que me mirava na montra dos chineses e me lambia a ferida…o único ser que quis saber de mim!

Olhei para o cão e perguntei-lhe:

– Queres entrar?

Ele, com os olhos, respondeu-me: – Se não me voltares a abandonar!

Desde então percebi que as notícias de homens a maltratarem o seu semelhante e os animais a darem a vida pelos seus donos, não é ficção!

Desde então percebi que aquele cão nunca iria retribuir o mal que lhe pudesse fazer e sempre gostaria de mim, incondicionalmente! No dia seguinte, com certeza, fui à associação de animais buscar a gatinha bebé!

Publicidade
Continuar a ler...
Publicidade
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Covid-19

Cruz passará pelas paróquias… de carro

Publicado

em

Por

Também para que a Páscoa seja vivida em pleno pelas famílias católicas, as paróquias vão fazer com que, no Domingo da Ressurreição, a Cruz passe junto às casas. Como? De carro. Em S. Martinho de Bougado, vão ser cinco os veículos que, durante a manhã, vão circular pelos lugares da paróquia a levar a Cruz e a mensagem de Páscoa.

No Muro, a Cruz também passará pelas casas das famílias durante a manhã, até às 11 horas, de carro. O mesmo automóvel vai circular na Vila do Coronado durante a tarde. Se o estado do tempo o permitir, o pároco, Rui Alves, também estará na viatura, com o devido distanciamento do condutor.

Em Santiago de Bougado, o pároco Bruno Ferreira conduzirá o automóvel que levará o anúncio da Ressurreição. O veículo terá uma Cruz florida e passará pelos lugares da paróquia entre as 14 e as 20 horas. Os horários podem ser consultados no boletim paroquial disponível na internet.

O pároco sugere às famílias que coloquem à janela uma colcha e as habituais flores pelas ruas, como se fossem receber a Cruz em sua casa.
À passagem da Cruz, é sugerido que sejam atiradas flores pelas janelas.

Por fim, nas paróquias de Alvarelhos e Guidões, de manhã, às 9 horas, sairá da Igreja Paroquial de Alvarelhos um veículo que levará as respetivas cruzes durante a manhã aos diferentes lugares das paróquias de Alvarelhos e Guidões.

Nos cruzamentos ou em lugares com aglomerado habitacional maior, o carro vai parar para ser recitada a oração pascal e dirigida uma mensagem aos fiéis.

À tarde, a partir das 14.30 horas, o veículo vai percorrer a paróquia de Covelas, com a mesma metodologia.

Publicidade

A lembrança que o pároco José Ramos dá, habitualmente, aos paroquianos, este ano um porta-chaves com Cristo Ressuscitado, vai ser entregue logo que as condições sanitárias o permitam.

Continuar a ler...

Covid-19

Celebrações de Páscoa também passam na TrofaTv

Publicado

em

Por

A realidade de hoje, com a propagação do vírus, obriga a várias adaptações para que a vida siga dentro da normalidade possível. No caso das celebrações religiosas – e não fosse o novo coronavírus estar em propagação em plena época de Páscoa – os párocos estudam, permanentemente, formas de chegar mais perto dos fiéis e daí resultou a parceria com a TrofaTv para transmitir, uma vez por semana, a eucaristia, em diversas paróquias.

Além disso, as cerimónias pascais também vão ter direito a transmissão, com algumas celebrações do tridúo pascal a passar, em direto, no Facebook da TrofaTv (www.facebook.com/trofatv).

A primeira com transmissão, a missa vespertina da Ceia do Senhor, realiza-se na Quinta-Feira Santa, 9 de abril, às 21 horas, na Igreja Matriz de Santiago de Bougado às 21 horas.

A celebração da Paixão do Senhor e adoração da Cruz, tem lugar na Igreja Paroquial do Muro, às 15 horas da Sexta-Feira Santa.

A Vigília Pascal na Noite Santa, 11 de abril, será transmitida a partir da Igreja Nova de S. Martinho de Bougado, às 21 horas.

No Domingo de Páscoa da Ressurreição, a celebração será feita na Igreja Paroquial de Alvarelhos, às 11 horas.

Além destas, há outras celebrações que serão realizadas “na comunhão das oito paróquias”, pelo que todos os párocos celebrarão em conjunto, à exceção da Via-sacra, que os párocos assinalarão nas respetivas comunidades.

Publicidade

Na Sexta-Feira Santa, às 10 horas, será celebrado o Ofício de Leituras e Laudes, na Igreja Paroquial de S. Romão do Coronado. Esta celebração repete-se, no Sábado Santo, na Igreja Matriz de Santiago de Bougado, às 10 horas.

Estas celebrações serão transmitidas nas páginas de Facebook das respetivas paróquias.

Continuar a ler...
EuroRegião Talks

Inscrições EuroRegião Talks

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também