Comemorar o Dia Mundial dos Direitos do Consumidor foi o objetivo do Gabinete de Apoio a Atendimento a jovens da Escola Secundária da Trofa ao promover uma tarde de palestras, no dia 15 de março, e o Concurso “Vamos às Compras”.

O novo auditório da Escola Secundária da Trofa estava repleto de alunos, do ensino básico e secundário, que assistiram às palestras “Direitos e Deveres do Consumidor” e “Cuidados a ter quando vamos às compras”. Esta iniciativa, organizada pelo Gabinete de Apoio a Atendimento aos jovens (GAA), tinha como objetivo comemorar o Dia Mundial dos Direitos do Consumidor.

Lurdes Reis, coordenadora do GAA, afirmou que quando selecionaram as datas comemorativas mais relevantes, também elegeram o Dia Mundial dos Direitos do Consumidor, para alertar os jovens a serem “consumidores mais responsáveis”. Na hora de convidar os oradores, optaram por André Regueiro, jurista da DECO, e Ana Silva, nutricionista da Câmara Municipal da Trofa, por constituir uma “mais-valia” para a palestra.

A coordenadora fez um balanço “muito positivo” da palestra, destacando que o auditório esteve repleto de alunos “interessados e atentos”. “São iniciativas destas que fazem todo o sentido que se realizem. Saímos daqui consumidores mais responsáveis e certos de que sabemos por onde escolher os nossos alimentos”, salientou.

Além disso, foi organizado um concurso, intitulado “Vamos às Compras”, onde os alunos tinham que, durante uma semana, deslocar-se ao comércio tradicional e elaborar uma lista de compras, num determinado valor, “para alimentar uma família de três pessoas de forma equilibrada, saudável e gastando o menos possível”. No final do concurso, pediram a ajuda da nutricionista da Câmara Municipal, na seleção das melhores listas. “As Poupadinhas” e “As Nutricionistas” foram as vencedoras do concurso, que tinha, também, como objetivo comemorar o Dia Mundial dos Direitos do Consumidor. Após contactos com algumas superfícies comercias locais, que acederam a patrocinar os prémios, a organização está a aguardar que estes sejam facultados, para os entregar às vencedoras. Para André Regueiro, estas atividades não são novidade, pois, todos os anos, a DECO/ Proteste está no maior número de locais possível, para passar a informação de que os consumidores, têm “bastantes direitos e que os devem de exercer”, trazendo “uma melhor sociedade de consumo”. “Ficamos muito agradados quando vemos recetividade por parte das escolas, porque o público-alvo são os consumidores do futuro”, asseverou. Salientou ainda, que a sua participação tem como principal intuito “desenvolver uma boa sociedade de consumo através da passagem do maior número de informação possível dos nossos direitos enquanto consumidores”.

O jurista alerta que é necessário estar preparado para a sociedade de consumo, em que se deve ser exigente. Desta forma estar-se-á a “defender o nosso direito, enquanto consumidores” e, também, “a melhorar a capacidade de resposta dos comerciantes, que sentem necessidade de progredir, de serem mais capazes, prestarem melhores serviços e de venderem melhores produtos”. Para mostrar aos alunos que nem sempre as publicidades dão informações sobre os produtos, André Regueiro mostrou três vídeos publicitários, enumerando os efeitos que causam nos consumidores.

Também Ana Silva deu uma palestra, que incidiu sobre a alimentação saudável e os “cuidados que devemos ter quando vamos às compras”. Sendo Portugal um dos países com maior taxa de obesidade nos jovens, a nutricionista frisou a importância da sua palestra, pois, desta forma, consegue “chegar a quem realmente precisa deste tipo de conhecimentos”. “Muitas vezes o problema deles, que até querem fazer uma alimentação melhor e terem mais cuidados, é não saber o que fazer, pois são bombardeados com informação constantemente, sejam de revistas, da internet e, às vezes, não fazem as melhores opções”, explicou, declarando que a melhor opção é procurar a ajuda de um profissional de saúde. 

Ana Silva afirmou que devemos ter alguns cuidados quando vamos às compras, adquirindo “alimentos mais saudáveis”. “Quando olhamos para um produto, devemos de ter em atenção não só ao preço, mas ver o rótulo, que tipo de componentes tem, podendo, ter alguma coisa mais estranha e é sempre importante alertarmos que as coisas existam, não extensivamente, mas pelo menos ter consciência”, declarou.

Para que toda a comunidade escolar estivesse representada nesta palestra, decidiram convidar os delegados e subdelegados do ensino básico e secundário, os alunos que participaram no concurso e ainda deixaram o convite aos professores que estivessem interessados a participar com a turma. 

{fcomment}