A colocação contentores para separação de resíduos serviu de mote para uma visita ao estabelecimento de ensino do presidente da Trofáguas, António Pontes, que na sexta-feira assinou com José Magalhães, presidente do Conselho Executivo da Escola EB 2/3 de S.Romão do Coronado um contrato de comodato para a colocação de 23 estruturas, denominadas ilhas para proceder à recolha selectiva de resíduos.

   Por detrás dos portões da escola EB2/3 de S. Romão do Coronado não existem só mesas cadeiras e livros…há ainda uma grande comunidade escolar preocupada com o ambiente, com a floresta e com a reciclagem.

Celeste Osório, uma das professoras que tem incentivado os alunos a participar nas campanhas de defesa e promoção do ambiente, considera "importante o trabalho que se tem vindo a desenvolver na escola nos últimos anos, especialmente a separação de resíduos, a separação de pilhas e à recolha de tampas de plástico para ajudar pessoas mais desfavorecidas", frisou. A professora adiantou ainda que "a escola aderiu a um processo de compostagem de orgânicos, tendo para isso duas pequenas estruturas que ajudam a transformar os restos orgânicos em fertilizante natural para mais tarde utilizarmos na estufa que estamos agora a reactivar para cultivar plantas aromáticas", frisou.

Estas actividades são levadas a cabo com algumas turmas nas disciplinas de Ciências Naturais, Físico-química, Estudo Acompanhado e Formação Cívica.

Por seu lado José Magalhães, presidente do conselho executivo frisou que "já há muitos anos que a professora Celeste Osório e outros docentes se têm preocupado com essa área do ambiente, o nosso contributo é muito pequeno, mas também temos consciência que se cada um de nós contribuir com um bocadinho para uma coisa muito grande que é a sustentabilidade para o futuro dos nossos jovens, a vida que possa ser de alguma forma melhor do que se não fizéssemos nada", frisou.

Por seu lado António Pontes presidente da Trofaguas parabenizou a escola e os professores pelas iniciativas considerando esta e outras acções como "uma forma de preparar as futuras gerações para a adopção de boas práticas em matéria ambiental,contribuindo assim para a mudança de hábitos".

A Trofáguas tem apostado na sensibilização de crianças e jovens pois "é de pequenino que se torce o pepino" e por essa razão "é importante começar pelas escolas para que os mais jovens sensibilizem os adultos para estas campanhas", frisou.

Este contrato de comodato firmado entre a Trofáguas e a Escola pode, de acordo com António Pontes, ser estabelecido com qualquer outra instituição do concelho da trofa e não implica qualquer despesa", frisou o responsável. Pontes adiantou anda que "a única coisa que pedimos é que zelem este equipamento e que o utilizem para aquilo que e necessário", convidando assim outras instituições a ajudar a atingir a meta dos 10 por cento de resíduos reciclados em 2009.

 

Até 2009 10 por cento de lixo reciclado

 

"Em 31 de Dezembro de 2007 a Trofa fazia separação de apenas 8,5 por cento da totalidade de resíduos (200 a 300 toneladas) que produz o que é pouco. Em 2009 pretendemos alcançar os 10 por cento de lixos reciclados o que não vai ser fácil", afiançou António Pontes.