Sensibilizar e ajudar a criar hábitos de segurança na comunidade trofense, essencialmente nas crianças e jovens, foram os principais objetivos da Federação das Associações de Pais do Concelho da Trofa (FAPTROFA) ao dinamizar o 9º colóquio “Educação Rodoviária”, no dia 24 de maio.

A Escola Básica e Secundária do Coronado e Covelas foi palco de várias iniciativas, como a apresentação de pequenos filmes alusivos à temática, uma explicação sobre as “novas regras de educação rodoviária” pelas escolas de condução e Polícia Municipal, uma exposição de viaturas da Guarda Nacional Republicana (GNR), Bombeiros Voluntários da Trofa (BVT) e da Cruz Vermelha Portuguesa (CVP) e ainda houve um circuito móvel que foi percorrido pelos jovens depois de “tirarem” a carta de condução.

O colóquio contou com o apoio do ACeS – Agrupamento dos Centros de Saúde de Santo Tirso/Trofa, que apresentou o projeto “Crescer em Segurança”. Segundo a enfermeira Elsa Silva, o projeto tem como objetivo “promover o uso mais sistemático e consistente do sistema de retenção do transporte de crianças e jovens”, sendo que a sua ausência é “a principal causa de morte e de lesão temporária ou permanente na idade pediátrica, ou seja, dos zero aos 18 anos”. Como a sensibilização às crianças e jovens já é feita no âmbito escolar, as enfermeiras aproveitaram a ocasião para “alertar os pais sobre os sistemas de retenção”. “De vez em quando, (os pais) estão dispersos para a gravidade e para o risco sem um sistema de retenção devidamente adequado ao peso e à altura da criança, devidamente usado segundo as instruções do fabricante. Ficam iludidos com pequenos trajetos e é nesses trajetos que os acidentes graves ocorrem”, salientou.

O projeto promove essencialmente “a segurança infantil nas várias vertentes”, como “nos afogamentos”, situações de “insolações com o tempo quente” ou o facto de “uma criança não poder ficar fechada num carro nem por pouco tempo que seja pois corre o risco de asfixia e desidratação grave”. Elsa Silva contou ainda que o projeto “vai crescer” funcionando “muito no âmbito comunitário”.

Já durante a tarde realizou-se um “simulacro de incêndio, capotamento e desencarceramento de duas viaturas”, da responsabilidade dos BVT em parceria com a CVP. O elemento dos BVT, Eduardo Cruz, denotou que este é “um exercício que pode ser uma realidade no dia a dia”, sendo a demonstração muito apreciada “pelas crianças”. Os bombeiros da Trofa estiveram representados com três viaturas e cinco elementos e a CVP com “uma viatura de apoio” e “três elementos de serviço de saúde”.

O presidente da FAPTROFA, José Maria Oliveira, declarou que este ano o colóquio foi organizado na Escola Básica e Secundária de Coronado e Covelas por “já existirem condições físicas, nomeadamente o circuito móvel e os carrinhos”. Além disso, “as associações do Coronado já tinham solicitado várias vezes” para que o evento fosse realizado na freguesia e “não fosse sempre na cidade da Trofa”, porque tinham “a noção de que as crianças não se deslocavam ao centro para participar no evento e ficariam prejudicadas”.

Já o vereador do pelouro de Educação da autarquia, António Azevedo, referiu que a Câmara Municipal se associou porque “a iniciativa é nobre” e dedicada à “educação e prevenção rodoviária”, que, na sua opinião, deviam ser “ensinadas nas escolas desde de sempre”. “A sinistralidade é uma das maiores causas de morte em Portugal e, por isso, este colóquio sobre a educação e prevenção rodoviária é de enaltecer”, referiu.

António Azevedo mencionou que o executivo vai continuar a apoiar a FAPTROFA, como nas Colónias Balneares com “um subsídio de 15 euros por criança”, no desenvolvimento da “futura Rede Escolar” e “Carta Educativa”, a “descentralização de competências”, passando para a responsabilidade dos agrupamentos “as AEC (Atividades de Enriquecimento Curricular), o mapa das psicólogas”, e “o pessoal não docente, em termos do controlo de assiduidade, pontualidade e férias”.