A AMAVE – Associação de Municípios do Vale do Ave lançou a construção de cinco novos econcentros. A Trofa ainda este ano terá esta infraestrutura, a ser construída na Rua do Progresso, no lugar de Lantemil, em Santiago de Bougado, que faz a recolha de electrodomésticos, colchões, móveis, ainda papel, cartão, plástico e metal, de forma gratuita

Ter o ecocentro da Trofa em funcionamento antes do final de 2009 é um dos objectivos de António Pontes, presidente do conselho de Administração da Trofáguas.

“No ecocentro podem ser depositados resíduos de vários tipos como por exemplo electrodomésticos velhos, colchões, móveis e outros objectos que deixaram de ter utilidade”, adiantou o responsável pela empresa municipal a quem cabe a gestão da recolha de resíduos na Trofa.

Esta nova infraestrutura será construída na Rua do Progresso, no lugar de Lantemil, em Santiago de Bougado, uma zona industrial e distanciada de habitações. “Acho que encontramos uma boa solução para a instalação do ecocentro. Do ponto de vista geográfico é uma área, muito central relativamente ao conjunto das freguesias do concelho, bem servida de acessos, a Rua do Progresso vai desembocar na EN 14”, explicou o responsável.

O impacto da construção de um ecocentro é, segundo António Pontes, “mínimo”. “O ecocentro tem também uma vantagem relativamente a outras infraestruturas que lidam com os RSU (Resíduos Sólidos Urbanos), é apenas para receber materiais de uso reciclável ou para serem reutilizados. São materiais que não provocam odores, é uma infraestrutura ambiental que é da maior importância para o concelho e sob o ponto de vista de impacto vai ser mínimo, para não dizer igual a zero”, adiantou Pontes.

Quanto à utilização dos ecocentros, António Pontes, espera que os trofenses adiram às boas práticas ambientais de colocação dos resíduos nos locais adequados. “A partir da existência do ecocentro na Trofa, se agora não há desculpa para não colocar, a partir da existência do ecocentro não há desculpa possível para fazer uma deposição clandestina. A nossa expectativa é que vá melhorar o asseio do nosso concelho e melhorar a qualidade ambiental”, referiu.

Com a construção do ecocentro, a Trofáguas prevê também a diminuição da recolha de monstros (electrodomésticos, móveis, etc.) porta-a-porta. “É evidente que temos a expectativa que esse serviço vai ter de diminuir em termos de carência, mas isso vai ser uma consequência natural que virá dos munícipes. Contudo vamos manter o serviço para quem o pretender em termos de recolha porta-a-porta”.

O projecto da obra está a cargo da AMAVE, mas conta com a parceria de Câmara Municipal da Trofa, da empresa Trofáguas e será comparticipada pelo Fundo de Coesão da Comissão Europeia. “Esta é uma empreitada que terá a duração de cerca de meio ano. O concurso pensamos que será lançado agora em Março, é evidente que nos concursos há sempre uns procedimentos que têm que ser levados a cabo, a nossa estimativa é que durante 2009 o projecto fique completamente terminado e pronto a receber os resíduos”, adiantou Pontes.

Para além deste ecocentro serão ainda construídos mais quatro em São João de Ponte, Guimarães, em Riba d’Ave, no CITRUS, em Vila Nova de Famalicão e Vizela.