A vassoura era o ponto de partida para “dar largas à imaginação” e participar em mais um concurso do projeto CLDS 4AGIR da Trofa, coordenado pela delegação da Trofa da Cruz Vermelha Portuguesa. Com o Halloween como argumento, a instituição escolheu o objeto muito associado às bruxas para “enfatizar” uma das artes que fazem parte da identidade da Vila do Coronado: a vassoura.
Das propostas apresentadas, o júri determinou que a grande vencedora era a da Escola Básica de Estação, do Muro, enquanto Paulo Silva construiu a vassoura que mereceu o 2.º lugar. O pódio fechou com a Escola Básica de Querelêdo, de Covelas.


“Não tivemos tantos participantes como gostaríamos, até porque na edição passada tivemos mais, no entanto, como coincidiu com o início das aulas, sabemos que isso traz alguns constrangimentos. Mas os que concorreram apresentaram trabalhos muito bonitos e o resultado foi extremamente positivo”, frisou Lara Oliveira, coordenadora do CLDS 4AGIR Trofa.
A “criatividade” e os “materiais usados” foram os critérios que contaram para a avaliação do júri. O Centro Comunitário da Trofa da ASAS juntou a esses “a doçura” e a “dinâmica” que caracteriza a valência, declarou a coordenadora Natércia Rodrigues, que evidenciou a habitual parceria entre instituições, que acabam por produzir este tipo de resultados.
O CLDS 4AGIR está já a preparar um novo concurso, desta vez tendo como referência o “diamante” da Trofa, cujo 23.º aniversário de elevação do concelho se assinala este mês. “As inscrições já estão abertas e os trabalhos podem ser entregues até 15 de novembro. Esperamos que a comunidade adira, que saiam excelentes trabalhos e se dê a conhecer o concelho da Trofa e aquilo que ele tem de bom”, vaticinou Lara Oliveira.
C.V.