Entrevista a Miguel Alexandre, candidato da CDU à freguesia de Bougado

 

Caso seja eleito, Miguel Alexandre tem como prioridade a criação de locais para a população sénior passar os tempos livres, bem como de polos de interesse para a juventude.

 

O Notícias da Trofa (NT): O que o leva a candidatar-se à freguesia de Bougado?
Miguel Alexandre (MA): Aceitei esta candidatura pela confiança num projeto coletivo e que marca uma diferença dos outros pela ligação aos bougadenses, aos seus costumes e tradições. Sabendo que é um projeto que ouve as populações e pugna para que os seus anseios sejam concretizados.
Aceitei porque tenho também por princípios de vida os princípios orientadores do projeto CDU – Trabalho, Honestidade e Competência.

NT: Quais são os projetos que apresenta para o mandato?
MA: Sendo a maior freguesia, e aquela onde tem a sua sede a Câmara Municipal, os problemas são diversos das outras freguesias, tendo, no entanto, problemas comuns.
O apoio aos mais idosos, fora das épocas dos “passeios”, tem que ser real e efetivo.
As associações de pais e as associações desportivas e juvenis têm de ser apoiadas pelos seus projetos e atividades e não pelos seus dirigentes.
A cultura tem que ser uma realidade nesta freguesia, que tem três auditórios (edifícios da Junta e Fórum XXI), mas que têm pouca utilização.
A aproximação da população ao seu rio tem de ser mais que a construção de um passadiço, temos de reordenar toda a zona ribeirinha.
Claro que a mobilidade, principalmente na cidade, tem que ser uma realidade. É preciso reordenar as ruas e os estacionamentos, muitas vezes, abusivos. Sinalizar as passadeiras e melhorar os pas-seios, de forma a tornar a mobilidade mais segura para todos.
Discussão sobre a possibilidade de reverter a chamada Lei Relvas de agregação de freguesias.
Medidas de atração de empresas e população realistas, tendo sempre em vista que é uma freguesia urbana, com uma grande área rural.
Revitalização da feira semanal, que nos atuais moldes caminha para o seu declínio e morte.

NT: Qual o projeto/área prio-ritário(a) caso seja eleito?
MA: Eleger uma área como prioritária é secundarizar todas as outras, no entanto, é urgente um investimento na área social, como a criação de locais, onde, durante todo o ano, seja possível a população sénior passar os seus tempos livres, bem como a criação de polos de interesse para a juventude.

NT: Quais as principais carências da freguesia?
MA: Ordenamento viário, solução efetiva e definitiva para o problema de espaço no cemitério de S. Martinho, médicos de família em número suficiente para evitar longas esperas por consultas.

NT: Considera importante que a Câmara e a Junta de Freguesia sejam governadas pelo mesmo partido político? Porquê?
MA: Não, porque isso seria acreditar no nepotismo e clientelismo. É uma relação baseada no trabalho, honestidade, competência e transparência. Quem acredita que esta relação é importante nunca se deveria candidatar.

NT: Quais as obras que considera mais urgentes serem realizadas pela Câmara Municipal?
MA: Construção dos Paços do Concelho, requalificação das vias mais afastadas do centro da cidade, promover políticas de proximidade e de promoção do concelho, construção de Centro de Dia e lares para a terceira idade, dignos e a preços acessíveis, espaços verdes, desportivos e de lazer para benefício de toda a população, apresentação de medidas concretas e reais para diminuição da despesa da Câmara, para que a possibilidade de diminuição de impostos à população da Trofa seja uma realidade.

NT: Como avalia a evolução da freguesia ao longo dos 18 anos do Município da Trofa?
MA: A evolução da freguesia está muito ligada à evolução da cidade, até que há quatro anos houve a agregação das duas freguesias de Bougado, criando duas velocidades de desenvolvimento. Há, claramente, uma maior atenção à área da cidade, ficando a restante freguesia menos desenvolvida. Continua sem ter um “centro” da cidade, criando vários polos de desenvolvimento sem ligação entre eles. Falta a Bougado uma liderança forte e com ideias diferentes, mas que conheça os seus problemas e as suas gentes e, acima de tudo, que não tenha medo de mudar.