vitor-silva

S. Romão do Coronado: Vítor Silva é candidato pela CDU

Notícias da Trofa – O que o leva a candidatar-se à Assembleia de Freguesia?

Vítor Silva – Sou habitante desta freguesia há 30 anos e tenho conhecimento dos problemas e necessidades desta, sendo estas de vários níveis. Por essa razão deve haver uma mudança de política, visto que os autarcas que por aqui têm passado não têm sabido dar total resposta às necessidades da freguesia. Porque quero uma freguesia mais digna para todos candidatei-me pela CDU.

NT – Quais são os projectos que vai apresentar para o mandato?

VS – A freguesia está em crescimento e são visíveis as suas necessidades, a população anda cada vez mais assustada devido à onda de assaltos e temem pela segurança, é fundamental a criação de uma extensão da GNR na freguesia. Construção de uma escola secundária junto da EB 2,3, tendo em conta as vias de acesso para melhor fluidez do trânsito. Espaços culturais e de lazer, recuperação dos parques infantis, requalificação do rio da Mamôa. Defender a construção da plataforma logística, mas tendo em conta a preservação das zonas agrícolas. Há uma necessidade urgente do arranjo das vias públicas e construção de passeios para segurança de todos, sendo o acesso ao centro de saúde um dos pontos negros da nossa freguesia. Fazer chegar a água e saneamento a todos os munícipes.

NT – Qual é o projecto/área prioritário (a) caso seja eleito?

VS – Caso seja eleito as prioridades pelas quais nos vamos debater são: O reforço de segurança e ordem pública através de uma extensão da GNR na freguesia; o acesso aos bens de primeira necessidade como a água e saneamento a toda a freguesia; a construção célere da escola secundária da Vila do Coronado.

NT – Porque é que os eleitores devem votar em si?

VS – Porque temos propostas credíveis concretas e que acreditamos que são as mais prementes para a resolução de uma boa parte dos problemas da nossa população.

NT – Considera mais fácil governar sendo a Câmara e a junta do mesmo partido? Porquê?

VS – Nem sempre, porque o bom funcionamento entre câmaras e freguesias passa por ter projectos credíveis naqueles que acreditamos e temos que fazer prevalecer, tentando sempre ter um bom relacionamento para levarmos os projectos a bom porto, independentemente da cor política de cada um.