A Agência de Inovação e Incubação – DNA Trofa está apoiado num modelo desenvolvido em Cascais e promete dinamizar o município, a Associação Empresarial do Baixo Ave (AEBA), os empresários da região, instituições financeiras e entidades como o IAPMEI ou a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. O projecto foi apresentado esta terça-feira, no Salão de trabalhos da Academia Municipal da Trofa.

 "Agora está desenvolvida uma associação, DNA Trofa, com o apadrinhamento da associação DNA Cascais, que constitui um centro de inovação para acolher a inovação, a criatividade e as novas tecnologias". Foi desta forma que Bernardino Vasconcelos descreveu a nova associação criada na Trofa, apresentada a alguns responsáveis por empresas como a Bial, Salsa, Proef, Frezite, Imperil, a Trofauto entre outras.

O DNA Trofa- Agência de Inovação e Incubação é um programa integrado de apoio ao empreendedorismo social, jovem e tecnológico que pretende potenciar os recursos da região e maximizar oportunidades.

O edil explicou que "a ideia era desenvolver uma incubadora para acolher os novos empresários, não só da Trofa, mas também da nossa área metropolitana". Foram pesquisados alguns projectos, em diferentes concelhos do país, no entanto, "todas eles tinham um traçado muito repetitivo e desumanizado e finalmente encontramos Cascais com um projecto interessante", acrescentou. O projecto DNA – Cascais acolheu 200 ideias, tendo sido aprovados 70 projectos para abertura de novas empresas, no espaço de um ano e meio.

Este projecto permite a reconversão e requalificação dos recursos humanos libertados pelas indústrias, a criação de espaços adequados à localização empresarial – Trofa Park, a atracção de jovens do concelho e dos distritos de Porto e Braga que procuram ninhos de empresas para iniciar a sua actividade e ainda de jovens qualificados, visto que a autarquia se localiza perto de alguns pólos universitários relevantes, como Porto e Braga.

A Agência de Inovação e Incubação é dirigida aos mais jovens, qualificados, "que tenham ideias e que queiram iniciar a sua micro-empresa, na zona empresarial da Trofa. Vai ter um conjunto de ferramentas de apoios financeiros, capital de risco, para que os jovens que têm ideias e propostas, mas que não têm dinheiro, possam desenvolver o seu posto de trabalho e a sua micro-empresa", afirmou Bernardino Vasconcelos.

Agora poderão ser criados num futuro próximo ninhos de empresas, bancos de ideias, concursos de ideias sobre empreendedorismo, clínicas de gestão, seminários, conferências, visitas de estudo e outras actividades relacionadas, estágios no meio profissional e intercâmbio internacional de informação sobre empreendedorismo.