"Divergências de objectivos, estratégias, intenções, em suma, matéria político-desportiva" foi o motivo que levou Daniel Ramos a rescindir com a direcção do Trofense, numa altura em que a sua continuidade era o panorama esperado para a próxima época.

 Relativamente à sua saída, o treinador asseverou que "faltou paciência e tempo a alguns para perceberem que tudo aconteceu muito depressa" e referiu ainda que todos os objectivos foram cumpri-dos: subiu à Liga de Honra e agora a manutenção foi garantida.

"Saio a bem. Estava previsto continuar mas perdeu-se a relação de empatia necessária a que a relação perdurasse. Discordamos de algumas matérias e se consenso houve foi na razão de não valer a pena prosseguir juntos", disse à comunicação social.

Quanto aos rumores que apontam Daniel Ramos como próximo sucessor de João Eusébio no Rio Ave, Ramos diz ainda não ter recebido qual-quer contacto nem proposta de trabalho. No entanto, mos-tra-se disponível para começar a trabalhar e não descartou a possibilidade de "voltar a treinar o Trofense".

Agora sem técnico, um dos nomes falados para poder ocupar o lugar deixado por Daniel Ramos é o de Domingos Paciência, que treinou o União de Leiria.

Diamantino Miranda ou o Professor Neca são também nomes que poderão estar em cima da mesa da Direcção do Trofense. Armando Martins, vice-presidente do clube para a comunicação social, contactado pelo NT não confirmou ainda nenhum dos nomes, afirmando que o Trofense ainda não escolheu o treinador para a próxima época.