Treinadores trofenses, mais jovens da 2ª Divisão fazem boa época… Fora do Concelho!!

Leandro Loureiro é treinador desde o início desta temporada e referiu ao NT que a oportunidade de se tornar comandante de uma equipa de futebol surgiu depois de tirar a licenciatura em Educação Física e Desporto, no ISMAI e o Curso de treinador – Nível I, enquanto que Paulo Torres, treinador há sete anos, licenciado em Educação Física não hesitou a oportunidade de iniciar uma carreira em conjunto com o seu colega.

      São da Trofa e destacaram-se na 2ª Divisão da Associação de Futebol do Porto por serem os dois treinadores mais jovens do campeonato. Leandro Loureiro e Paulo Torres agarraram a equipa do Atlético de Vilar no dia 18 de Dezembro e atravessar todas as dificuldades para colocá-la no meio da tabela.

"O nosso primeiro treino no dia 18 de Dezembro de 2007. Tínhamos aproximadamente 3 semanas antes do primeiro jogo, aparentemente algum tempo, mas curto para moldar a equipa à nossa imagem e ao nosso modelo de jogo adoptado. Apresentaram-nos uma equipa desmotivada, com falta de confiança e desfalcada de dois ou três dos seus jogadores mais influentes (não tínhamos um único avançado inscrito no plantel). Vinham de uma primeira volta do campeonato fraca onde com apenas 13 pontos ocupavam o penúltimo lugar da tabela", explicaram os treinadores. Mas, depois da primeira vitória (obtida cinco jornadas depois), o Atlético de Vilar passou a encarar-se como uma equipa diferente e dificilmente consentiu a derrota. O "aumento constante dos níveis de confiança" contribuiu a grande escala para que a equipa nunca tivesse somado dois desaires consecutivos até ao final da época, em que se classificou em nono lugar. A segunda volta foi, de facto, uma rampa para que o conjunto subisse do penúltimo lugar ocupado quando Leandro Loureiro e Paulo Torres integraram a equipa técnica.

Antes de chegarem a esta equipa, os dois treinadores tiveram oportunidade de pôr em prática os seus cursos em equipas como CD Trofense (Escalão de Sub-10 em Futebol de 7) e AR Paradela (Futebol de Onze sénior – Treinador adjunto), no caso de Leandro Loureiro, e Folgosa da Maia F. C., Academia de Futebol Domingos & Rui Barros e F. C. Famalicão, no caso de Paulo Torres.

Leandro Loureiro é treinador desde o início desta temporada e referiu ao NT que a oportunidade de se tornar no comandante de uma equipa de futebol surgiu depois de tirar o curso de licenciatura em Educação Física e Desporto pelo ISMAI e o Curso de treinador – Nível I num convite endereçado pela formação do Clube Desportivo Trofense e outro para a equipa sénior do AR Paradela. "A meio da época 2007/2008 deram-me a oportunidade que eu tanto esperava de me tornar treinador principal. Um convite do Atlético de Vilar FC que obviamente não recusei", afirmou. Este técnico tem como referências na profissão António Oliveira, Bobby Robson e José Mourinho.

Por seu lado Paulo Torres, treinador há sete anos, licenciado em Educação Física e adepto de Carlos Queirós, José Maria Pedroto e José Mourinho, não hesitou a oportunidade de iniciar uma carreira em conjunto com o Leandro Loureiro. "Sendo colega de trabalho e amigo de longa data do Leandro, esta era uma situação que falávamos com frequência e que púnhamos como viável, principalmente porque o nosso percurso desportivo até à data era separado".

Um dos grandes "professores" que teve na sua carreira foi "o professor Miguel Cardoso, da Escola de Futebol Domingos & Rui Barros, que na altura foi o meu coordenador de estágio e também um dos "filhos" desta terra e já com um bom percurso na 1ª Liga, actualmente na equipa técnica com o Domingos, à frente da Académica mas que pelos vistos tem ficado no esquecimento aquando da Gala Anual do Desporto Federado, promovida pela Rádio e Jornal da Trofa", sublinhou Paulo Torres.

Num mundo tão difícil como é o futebol, os treinadores não se inibiram de enunciar as maiores dificuldades pelo que os treinadores têm que enfrentar. Leandro Loureiro referiu que o pior obstáculo é o facto de "não acreditarem no meu valor. Isto deve-se ao facto de olharem para mim como sendo demasiado jovem para a minha função. É verdade que me falta ainda alguma experiência que só a prática me poderá dar, mas estou seguro que tenho conhecimento mais que suficiente para levar projectos ambiciosos avante".

Já Paulo Torres referiu como principal dificuldade "tentar levar sempre em frente a nossa ideia e o nosso objectivo traçado para a época e para a equipa. Se os resultados não aparecem, o nosso trabalho é questionado, mas se dermos continuidade e se acreditamos verdadeiramente naquilo que fazemos, mais cedo ou mais tarde começamos a colher os frutos".

Para o futuro os treinadores não pensam em voos altos, mas não descartam patamares superiores. "Pensamos um dia de cada vez. Neste momento estamos concentrados em nos afirmarmos como treinadores de resultados. Queremos continuar a fazer parte da mesma equipa técnica. A partir daqui tem de ser sempre a subir. Nos próximos tempos queremos chegar ao campeonato Nacional e assinar o nosso 1º contrato profissional", frisaram.

Em jeito de conclusão, os treinadores aproveitaram para "deixar uma palavra de agradecimento a toda a direcção e atletas do Atlético de Vilar F. C. que acreditaram no nosso trabalho até ao fim e que, apesar das enormes dificuldades que o clube encontrou esta época, fizeram o impossível para nos darem as melhores condições de treino. Um agradecimento especial para o Professor José Neto por ter colocado uma pequena parte do seu conhecimento e do seu tempo ao nosso dispor".