A Santa Casa da Misericórdia da Trofa promoveu um desfile para assinalar o Dia da Mulher. Modelos encantaram com roupa de cerimónia da Noivíssima.

 “A que horas nos vamos vestir? Como é que fazemos na passerelle?” Estas foram questões recorrentes daquelas que nunca se tinham imaginado numa passadeira vermelha, como o centro de todas as atenções. Nos momentos que antecederam o Desfile da Mulher, na Santa Casa da Misericórdia da Trofa, em S. Martinho de Bougado, em que as modelos, utentes da instituição, não escondiam o nervoso miudinho nem o olhar radiante por estarem a vestir modelos glamourosos da Noivíssima. A loja trofense foi uma das que colaborou na iniciativa preparada por Ângela Moreira, funcionária da instituição, para assinalar o Dia Internacional da Mulher, 8 de março. “Tentamos dar um destaque às nossas clientes de forma diferente, fazendo com que elas se sentissem únicas. Para evidenciar a beleza da idade que em muitos casos se vai acentuando, tivemos a ideia deste desfile”, explicou, em declarações ao NT.

O sucesso da atividade era medido pelo “sorriso” das manequins. “Todo o esforço valeu a pena. Elas nunca tinham pensado em ter uma experiência destas, que também nunca lhes surgiu ao longo da vida. Estavam muito felizes por poder vestir roupa diferente e com o brilho que a Noivíssima tem”, asseverou.

Laura Ferreira, responsável pela loja trofense, destacou que esta é a primeira iniciativa do género na qual a Noivíssima participa. “Estou muito contente por poder proporcionar um dia diferente a estas mulheres que estão com idade muito avançada e por lhes dar um mimo”, sublinhou.

A sócia, Ana Ferreira, afirmou que “é maravilhoso proporcionar um momento como este a estas pessoas”. “Não é só na flor da idade que se gosta de desfilar e vestir roupas diferentes e bonitas”, acrescentou.

As modelos foram avaliadas por um júri de acordo com critérios como espontaneidade e carisma, empatia com o público, charme e desinibição, postura e simpatia.