quant
Fique ligado

Edição 678

Crónica Mais Saúde: Estaremos a lutar contra a obesidade?

Publicado

em

Todos nós sabemos que há cada vez mais obesos. E, Portugal, não é exceção. Partindo do princípio que crianças obesas serão, na maioria das vezes, adultos obesos, o melhor evitar a obesidade infantil.

Já não é nova a preocupação que o Governo apresenta face à promoção da alimentação saudável. Já se podem contar com dois despachos publicados em Diário da República (DR) que tentam implementar medidas de promoção de alimentação saudável. Desde 2016 que há legislação que reitera que a promoção da alimentação saudável junto das instituições do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

O despacho nº 11391/2017 publicado em DR em dezembro de 2017 veio acrescentar alguns alimentos saudáveis que devem ser ingeridos. O objetivo principal deste despacho foi limitar a venda e publicidade de alguns produtos menos saudáveis aos espaços destinados à exploração de bares, cafetarias e bufetes das instituições do Serviço Nacional de Saúde, portanto hospitais e centros de saúde.

São vários os produtos alimentares que estão abrangidos como prejudiciais à saúde, nomeadamente: salgados, bolos, guloseimas, snacks doces e salgados, sobremesas doces, barritas de cereais, refeições rápidas, bebidas com álcool, chocolates, entre outros.

E, além disso, as entidades de restauração devem contemplar a disponibilização obrigatória de água potável gratuita; leite simples meio-gordo/magro; iogurtes meio gordo/magro; queijos curados, frescos ou requeijão; sumos de fruta com pelo menos ≥50% de fruta; pão de mistura de farinha integral e com <1% de sal/100mg; fruta fresca; saladas; sopas de hortícolas e leguminosas; frutos oleaginosos; tisanas sem adição de açúcar.
Portanto, nos hospitais e centros de saúde, não se pode comprar este tipo de produtos. Será mesmo?

O tema de alimentação saudável é transversal a toda a sociedade. Não se trata apenas dos cuidados de saúde, até porque se formos a pensar com coerência quem está constantemente nesses locais diariamente são mesmo os trabalhadores de saúde: os enfermeiros, médicos e auxiliares.

Publicidade

Claro que é o começo. Investir em saúde é sempre ótimo. Mas não chega.
Já há legislação. Mas de facto, se queremos reduzir a obesidade temos que tratar da raíz do problema. Termos menos crianças obesas. E, os locais onde as crianças passam o seu tempo são a escola e em casa. E que legislação há a proibir a venda e publicidade de produtos prejudiciais à saúde? A resposta é: Não há.

Ainda há dois anos houve um projeto de lei que regulava “a publicidade a produtos alimentares, dirigida a crianças e jovens, alterando o código da publicidade”. De facto as alterações propostas no código da publicidade proibiam a publicidade a produtos alimentares na televisão, filmes e internet. E, até agora não foi publicado em DR.

São inúmeros os projetos de lei, neste âmbito que são rejeitados em Assembleia da República. Dos quais passo a indicar: projeto de lei que “estabelece a promoção da fruta e outros produtos alimentares nos bufetes/bares escolares”; projeto de lei que “determina condições para a limitação de produtos prejudiciais à saúde nas máquinas de venda automática dos estabelecimentos de ensino, tendo em vista a adoção de hábitos alimentares saudáveis e garantindo a qualidade das refeições escolares”; projeto de lei de “gestão pública de cantinas escolares” e ainda, o projeto de lei que “determina a não distribuição de leite achocolatado às crianças do ensino pré-escolar e do 1º ciclo do ensino básico, assegurando uma maior qualidade nas refeições escolares”.
Estaremos a lutar contra a obesidade?

Dra. Inês Flor Cunha
Médica

Continuar a ler...
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Edição 678

Crónica: Olhar o Cinema Nacional

Publicado

em

Por

Caros Leitores,

Após uma rentrée rica em estreias em sala de filmes portugueses, ou em coprodução, e depois de um prelúdio de Outono atípico, ao qual nos vamos habituando, o mês de Novembro parece trazer uma ansiada normalidade. Promete ser um mês rico em produções arrojadas, algumas premiadas e reconhecidas internacionalmente, numa altura em que o cinema português versa nos lugares de maior relevo em alguns dos mais importantes festivais. Deixo-vos, assim, com várias propostas para puderem preencher, da melhor forma, o tempo livre que Novembro reservar.

A 1 de Novembro, estreia RAIVA do realizador Sérgio Tréfaut, uma adaptação de “Seara de Vento”, de Manuel da Fonseca, um clássico da literatura portuguesa do século XX. Sérgio Tréfaut tem já um longo caminho percorrido, marcado por filmes como TREBLINKA (2016), VIAGEM A PORTUGAL (2011) e ALENTEJO, ALENTEJO (2014). Ficamos com uma breve sinopse: “Alentejo, 1950. Nos campos desertos do sul de Portugal, fustigados pelo vento e pela fome, a violência explode, subitamente. Vários assassinatos a sangue frio têm lugar numa só noite. Porquê? Qual a origem dos crimes?” (Fonte: faux.pt)


No mesmo dia, estreia DJON ÁFRICA, de Filipa Reis e João Miller Guerra, reconhecidos por trabalhos como FORA DA VIDA (2015), CAMA DE GATO (2012) e NADA FAZI (2011). É um filme de coprodução entre duas produtores portuguesas e acompanha a vida de Miguel Moreira, também conhecido como Djon África, que acaba de descobrir que a genética é madrasta e que a sua fisionomia – bem como alguns traços fortes da sua personalidade – o denunciam, ao primeiro olhar, como filho do seu pai, alguém que nunca conheceu. Essa descoberta intrigante leva-o a tentar saber quem é esse homem. (Fonte: umapedranosapato.com)

A 8 de Novembro, estreia CARGA a primeira longa metragem de Bruno Gascon, após um trajeto pautado por trabalhos na curta metragem, tais como BOY (2014) e EMPTINESS (2015). O filme conta a história de Viktoriya, uma jovem russa apanhada numa rede de tráfico ilegal, que apenas tem uma hipótese: lutar para sobreviver; e de António, um velho camionista, que se cruzará no caminho da jovem. Segundo o autor, a sua principal ambição é “fazer com que cada pessoa se possa colocar no lugar daquelas personagens e pensar sobre qual seria a sua escolha se estivesse naquela situação”. (Fonte: nit.pt)

A 15 de Novembro, estreia DIAMANTINO, a primeira longa-metragem de ficção de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, um par com um percurso marcado por filmes como TRISTES MONROES (2017) e A HISTORY OF MUTUAL RESPECT (2010). Tratando-se de uma coprodução entre Portugal, França e Brasil, o filme narra a história de “Diamantino, ícone absoluto do futebol, que é capaz de fintar as melhores defesas. Mas no jogo mais importante da sua vida, o seu génio deixa de funcionar.” “À procura de um novo objetivo para a sua vida, Diamantino entra numa odisseia delirante, que envolve neofascismo, crise dos refugiados, modificação genética e a busca pela origem da genialidade”.

Publicidade

Concluo com menção ao Doclisboa, o icónico festival lisboeta, que terá lugar nos dias 18 a 28 de Novembro, em salas distintas como a da Culturgest, Cinema Londres e Cinema São Jorge, o único festival de cinema em Portugal exclusivamente dedicado ao documentário. Tendo o documentário como mote, surgiu uma maior consciencialização quanto à importância do cinema documental, a descoberta de novos territórios, a grande diversidade, e a vitalidade do cinema do real. (Fonte: doclisboa.org)
Até à próxima rúbrica, e até lá, boas sessões de cinema!

Vasco Bäuerle

Continuar a ler...

Edição 678

Ana Luísa Oliveira ilustra história infantil que fala das emoções

Publicado

em

Por

Esta é uma família peculiar. Pai mãe e dois filhos partilham de uma visível dificuldade em expressar sentimentos, a tal ponto que, o elemento mais novo da família, o André, recebe no um abraço da professor no dia de aniversário , é aberta toda uma discussão ao jantar. No dia seguinte, o André está doente e sem que se consiga entender o diagnóstico são chamadas mais duas personagens. Este é o ponto de partida para a história “A Família Durão”, escrita por Elsa Almeida, que conta com as ilustrações da trofense Ana Luísa Oliveira.


Na obra, que foi apresentada a 13 de outubro na Casa da Cultura da Trofa, é a continuação do trabalho feito pelas artistas no livro “Um Coração XXL”, lançado no início do ano passado. “A cumplicidade que se gerou com a experiência do primeiro voltou a ser visível neste que volta a falar dos assuntos que todos evitamos falar, emoções”, explicou a ilustradora ao NT.

Ana Luísa Oliveira descreveu que “a ilustração, em aguarela, funciona neste livro como um retrato de família”. “A criação das personagens é o processo mais empolgante, porque são uma espécie de caricatura familiar, e cada personagem tem detalhes psicológicos tão vincados que tinham inevitavelmente de ser transformados em características físicas”, frisou.

A casa, cuja arquitetura foi “totalmente ficcionada”, e a escola, cuja imagem nasceu da memória da ilustradora dos tempos em que frequentou a EB 2/3 Professor Napoleão Sousa Marques, são os espaços centrais da trama e foram concebidos com “características que lhe permitissem transmitir da melhor forma a carga emocional da cena neles representada”.

O lançamento do livro na Trofa acontece no âmbito da celebração do Mês Internacional das Bibliotecas Escolares, numa parceria entre a autarquia e os Agrupamentos de Escolas do concelho.

Ana Luísa Oliveira é licenciada em Arquitetura na Universidade do Porto, desde 2011, e completou a formação em Ballet Clássico. Trabalhou como arquiteta durante dois anos, mas cedo percebeu que tinha de dedicar-se ao que a apaixona: o desenho e a dança. Vive no Porto, onde exerce a sua atividade como ilustradora, e é professora de ballet, na Trofa e em Vila Nova de Famalicão. Expõe com regularidade e conta já com várias obras publicadas.

Publicidade

Foto: DR

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também