Alunos da Escola Básica de Feira Nova, em S. Mamede do Coronado, aprenderam a importância de cuidar do ambiente no Dia Mundial da Floresta.

“Aprendi que não se deve cortar árvores e que devemos tratá-las bem, regando-as, cuidando delas e dando-lhes carinho”, explicou João Fonseca, de nove anos, aluno da EB1 de Feira Nova, em S. Mamede do Coronado. No Dia Mundial da Floresta, assinalado esta segunda-feira, os alunos deste estabelecimento de ensino plantaram uma nova árvore no jardim e criaram um bebedouro para pássaros reutilizando um pacote de leite vazio. As brincadeiras foram uma constante e ninguém teve medo de sujar as mãos no momento de plantar o carvalho. “Gostei de fazer a roda com os outros meninos e de ver a plantação da árvore”, confessou Jorge Gonçalves, no intervalo entre os jogos.

Para a Savinor, promotora da iniciativa, esta é apenas mais uma das muitas actividades integradas no Programa de Educação Ambiental. “Tentamos divertir as crianças, ensinando-lhes alguma coisa sobre o ambiente”, explicou João Pedro Azevedo, presidente do Conselho de Administração da Savinor. Mesmo com “a crise económica, social e política”, é “importante” que todos percebam que “há um conjunto de valores que não podem ser esquecidos”, ainda que os orçamentos para estas actividades sejam mais baixos. Para João Pedro Azevedo, a receptividade a este tipo de projectos tem sido grande por parte da comunidade escolar: “As crianças têm a vantagem de ser muito sinceras e a sua participação nesta actividade mostra como este projecto tem sido espectacular. Também não podíamos ter melhor opinião sobre os professores e auxiliares”.

A directora da escola, Aldora Maia, vê com bons olhos estes eventos. “São coisas novas e os alunos gostam muito destas actividades. Mais do que nunca é importante sensibilizar os mais novos para a protecção e preservação do ambiente”, declarou, rodeada pelos alunos.

 As crianças passaram uma tarde diferente e divertida e, entre cânticos e jogos, todos perceberam a importância das árvores no planeta. No final, ficou a promessa de cuidar bem do carvalho que, daqui a uns anos, vai “dar bolotas para fazer pão”.