Crianças e jovens de S. Martinho de Bougado comemoraram o encerramento do ano de catequese com uma festa organizada pelo Grupo de Pais de Apoio à Catequese.

Enquanto uns tentavam acertar na pilha de latas, outros desdobravam-se em esforços para terminar uma corrida sem deixar cair a bola ou a colher. Os mais novos não se cansavam de saltar no insuflável e os pais distribuíam petiscos durante a festa de encerramento do ano de catequese da paróquia de S. Martinho de Bougado. No sábado à tarde, a zona envolvente à Igreja Nova acolheu milhares de pessoas, que participaram na iniciativa promovida pelo Grupo de Pais de Apoio à Catequese (GPAC).

Delfim Leite foi o porta-voz do grupo: “Isto já se tornou um hábito. Há três anos que promovemos esta festa, que serve para festejar todo o ano de catequese das nossas crianças”. “Vai, certamente, tornar-se uma tradição em S. Martinho de Bougado”, vaticinou.

Este ano, a festa mudou de local, permitindo a realização de mais iniciativas. Para além do insuflável e de vários jogos tradicionais, os alunos dos diversos anos de catequese atuaram em cima do palco, levando ainda mais música, dança e alegria à tarde. “Mais de 800 crianças” participaram na festa.

Para promoverem a festa de encerramento da catequese, os pais angariam fundos ao longo de todo o ano: “O financiamento é feito pelo GPAC. Durante o ano temos um bar interno na cripta da igreja, que funciona todos os sábados”. “É claro que também contamos com a ajuda de todos os elementos do grupo e de patrocinadores externos que, mesmo que não nos possam oferecer os produtos, pelo menos vendem-nos a preços mais convidativos”, acrescentou.

Este é também um momento de “descontração e convívio” entre pais, filhos e catequistas, como evidenciou Luciano Lagoa. O pároco de S. Martinho de Bougado marcou presença na festa, destacando que esta é também uma forma de formar e ensinar a doutrina cristã aos mais novos: “Todos os anos procuramos que este dia fique na memória dos nossos catequisandos, porque dizer que Cristo é alegria e depois fazer tudo de uma maneira muito cinzenta, acaba por não dar grande resultado. Parece-me que esta é também a melhor maneira de evangelizar”.

O trabalho desenvolvido pelos pais mereceu os elogios de Luciano Lagoa. “Há pais que se têm dedicado muito aos seus filhos, de tal maneira que têm proporcionado coisas muito interessantes como, por exemplo, a renovação dos espaços físicos da catequese. Procuram que os filhos andem para a frente e não deixar que eles esmoreçam, fazendo com que venham sempre à catequese, ainda que nem sempre seja momento de festa”, afirmou Luciano Lagoa.

Apesar de “este ano de catequese ter corrido muito bem”, o pároco espera que para aqueles que terminaram, esta não se torne numa festa de despedida: “O grande problema da paróquia é que os jovens se afastam da Igreja depois de concluir a catequese”.

Para tentar solucionar este problema, Luciano Lagoa já tem algumas ideias que gostaria de implementar na paróquia, como “atividades ligadas à solidariedade e outras de caráter lúdico”. Para além disso, “por vezes, pensa-se que rezar é uma coisa monótona ou só ir à missa”. “Confundimos a oração com a celebração da eucaristia e há muitas formas de oração que podem ser desenvolvidas com os jovens”, garantiu.

Em dia de festa, Luciano Lagoa deixou uma mensagem: “Apareçam. Não tenham medo. Às vezes olha-se para a Igreja como se fosse uma coisa antiga e cinzenta e é essa imagem que eu gostaria de mudar, pois é um lugar onde pode haver alegria e partilha e onde as pessoas se podem sentir felizes”.

O Grupo de Pais de Apoio à Catequese promove várias iniciativas ao longo do ano, sempre com o objetivo de proporcionar mais condições às crianças e jovens que frequentam a catequese em S. Martinho de Bougado.

 

{fcomment}