Dois indivíduos munidos de armas de fogo assaltaram, na passada sexta-feira, pelas 11 horas, uma funcionária dos CTT da Trofa, quando esta regressava do Banco Espírito Santo, na Rua D. Pedro V, depois de alegadamente ter ido levantar dinheiro para o pagamento das reformas.

  A funcionária que conduzia um Suzuki azul, acompanhada por uma colega, foi abordada por dois indivíduos de mota, que lhe terão apontado uma arma de fogo, exigindo-lhe o envelope que trazia cerca de 45 mil euros.

Perante a quantia em causa e face à precisão do momento em que os ladrões actuaram, as autoridades não  descartam a hipótese de a funcionária já estar a ser alvo de vigilâncias há algum tempo. Esta transacção monetária será, aliás, uma tarefa rotineira nos Correios da Trofa. Quando a GNR da Trofa chegou ao local, já os dois indivíduos se tinham colocado em fuga.

Ao Jornal de Notícias de sábado Júlio Cruz, proprietário de uma agência de seguros vizinha e testemunha do assalto, explicou como tudo se passou: "aquilo foi automático. Quando o miúdo lhe apontou a arma, ela largou o envelope", referiu Júlio Cruz que afirmou ainda que "não parecia um envelope para tanto dinheiro".

A testemunha confidenciou ainda ao mesmo jornal que pensou "que fosse uma brincadeira, porque (o assaltante) parecia um miúdo", descrevendo-o como um "jovenzinho de metro e meio", "mais pequeno do que a funcionária" e "usava capacete". O dono da seguradora completou ainda que a mota por onde eles se faziam transportar "não tinha matrícula".

O NT tentou recolher informações junto da responsável pelo balcão dos CTT da Trofa, mas esta encontra-se de férias e mais ninguém se prestou a dar qualquer informação. A Polícia está a investigar o caso e ordenou que nenhum dos funcionários falasse, alegando "Segredo de Justiça".

É já o quarto assalto do género no espaço de dois anos a trabalhadores dos CTT.

O último ocorreu no ano passado quando uma funcionária dos Correios da Trofa foi obrigada a entregar o saco com uma elevada quantia, depois de os assaltos terem inclusive disparado um tiro, que acabou por acertar apenas na viatura.