assembleia-santiago 

Assembleia de Santiago de Bougado

Unanimidade foi a palavra de ordem da Assembleia de Freguesia de Santiago de Bougado que votou favoravelmente todos os pontos levados a reunião esta semana.

A Conta de Gerência de 2008, assim como a revisão orçamental e a introdução do saldo de 2008, cerca de 16 mil euros, foram aprovadas por unanimidade pelos membros da Assembleia, que apenas criticaram o executivo nos assuntos de interesse para a freguesia e na informação sobre a sua actividade .

O imbróglio para a aquisição do terreno para a construção do Centro Comunitário mereceu a atenção do Partido Socialista que, pela voz de Jerónimo Torres, diz “não acreditar que o processo corra pelo melhor”. Segundo o presidente da Junta, António Azevedo, o proprietário do terreno apresentou uma proposta em que cedia 2570 metros quadrados para a capela mortuária, mas em contrapartida a Junta de Freguesia tem que renunciar à expropriação. “Se assim for, nós aceitamos as condições, mas não quer dizer que não continuemos com vontade de comprar o terreno todo, porque o executivo que se seguirá pode querer executar todo o projecto no mesmo local”, afirmou o presidente. Jerónimo Torres não concorda com a posição do presidente da Junta e afirmou que “é preferível aceitar o terreno para a construção da capela mortuária e pensar numa alternativa para o centro cívico”.

António Azevedo anunciou ainda a candidatura para a requalificação das margens do Rio Ave, que irá abranger 201 hectares de terreno, para o futuro Parque das Azenhas. O membro socialista Sérgio Torres concordou que a obra “vai engrandecer a freguesia”, mas questionou o autarca sobre se os direitos dos agricultores serão salvaguardados. “Esta requalificação vai regular as más acções de alguns agricultores, porque vai obrigar ao cumprimento da lei”, esclareceu António Azevedo.

O futuro da Casa da Cultura da Trofa também foi uma questão levantada pelo Partido Socialista. Jerónimo Torres considera que a nova biblioteca municipal, anunciada pela Câmara da Trofa no edifício da antiga Ráfia, vai “retirar independência” à estrutura sedeada em Santiago de Bougado.

António Azevedo discordou do socialista, afirmando que “nunca será retirado o nome da Casa da Cultura”, já que as estruturas serão diferentes. “A Casa da Cultura não tem condições para ser biblioteca municipal”, acrescentou.

A requalificação das ruas, tema quase obrigatório das assembleias, também foi abordada pelos dois elementos da oposição, com Jerónimo Torres a afirmar que algumas “são autênticas ratoeiras em dias de chuva”. Já Sérgio Torres sugeriu um arranjo na Rua da Ribeira, perto da empresa Mecanarte, por lá se encontrarem “muitos armazéns e fábricas”.

Sobre o mau estado das estradas, que foram alvo de intervenção devido às obras de saneamento e abastecimento de água, António Azevedo afirmou que “ninguém imagina a pressão que a Junta faz para que as ruas sejam repavimentadas” e levantou algumas dúvidas quanto a uma possivel recandidatura à Junta, quando referiu que “quem for presidente de Santiago entre 2009 e 2013 vai ter um trabalho tremendo” para ter tudo novamente repavimentado.

Na apresentação da Conta de Gerência de 2008, o presidente anunciou o gasto de cerca de 126 mil euros em viadutos e arruamentos, que foi, de resto, o maior investimento feito pelo executivo neste ano. Sobre a percentagem de receitas recebidas relativamente ao orçamento previsto, António Azevedo justificou que os 320 mil euros que estavam previstos da parte da Câmara Municipal “são uma promessa”, pois até agora só chegaram aos cofres da Junta 57 mil euros. “São as tais previsões, porque pensávamos que a Câmara nos ia dar para o projecto do Centro Comunitário, mas continuamos à espera”, frisou.

Jerónimo Torres afirmou que “dentro da execução anual do Plano Plurianual de Investimentos” a actividade da Junta “saiu defraudada, já que a percentagem de execução foi de 20 por cento”.

No entanto, o ponto foi aprovado por unanimidade, assim como a revisão orçamental e a introdução do saldo de 2008, cerca de 16 mil euros que foram transferidos de receitas correntes para receitas de capital e que servirão para o arranjo de diversas ruas.

 

Centro de Saúde já tem local definido

Na apresentação da informação escrita do executivo, António Azevedo anunciou que o local da nova unidade do centro de saúde é na zona dos Carvalhinhos, no lugar da Samogueira. O projecto está agora entregue à Administração Regional de Saúde do Norte para a abertura do concurso.