Membros da Assembleia reconheceram a limpeza das ruas e bermas da freguesia. Contas de 2008 foram aprovadas por maioria, mas oposição questionou valor referente à rubrica de apoio às famílias.

 Domingos Faria do Partido Socialista-PS iniciou o ponto de assuntos e interesses gerais para a freguesia do período antes da ordem do dia, felicitando o executivo pela limpeza agora visível na freguesia, que o membro da oposição considerou estar “sem lixo” e “como nunca a viu”. A opinião foi reiterada por Paulo Maia, membro do PS, que elogiou a limpeza da ruas e das bermas, mas lamentou os “plásticos a mais” atados às árvores.

Por sua vez, Joaquim Assunção, da bancada social-democrata, questionou o presidente do executivo sobre o motivo da escavação que está a ser efectuada na Encosta do Campo Comprido. Fernando Moreira esclareceu que essa matéria não é da competência da Junta de Freguesia, mas do SEPNA – Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente, explicando que a escavação surgiu da vontade dos proprietários daqueles terrenos para ali fazerem uma plantação de eucaliptos, com a qual o presidente do executivo afirmou, no entanto, não concordar.

Já Nuno Maia, do PSD, questionou o executivo sobre o ponto de situação da rua que ligará Covelas a Santo Tirso, ao que o presidente da Junta respondeu “ser uma pena de facto ela ainda não ter começado” e que os prazos dados pelo empreiteiro da obra apontam para “meados de Maio”.

Por seu lado, o membro do PSD José Carlos Marques quis saber o destino do “aterro debaixo da ponte da auto-estrada” e “se há algum tipo de licença”. Fernando Moreira esclareceu que “aquele aterro já existia quando se fez a linha do comboio e a auto-estrada”.

Já na ordem do dia, no ponto referente à actividade e situação financeira da Junta de Freguesia, Alexandra Ferreira, do PSD, elogiou o executivo pela realização do passeio para a terceira idade, que considerou ser “uma mais-valia para as pessoas da freguesia conviverem umas com as outras” e que, por outro lado, “não prejudica o fundo de maneio” do executivo. Lembrando que realiza o passeio dos idosos há 25 anos, Fernando Moreira garantiu “não pensar em acabar com ele” e que o mesmo não prejudica o fundo de maneio, “porque senão não o fazia”.

Ainda no mesmo ponto da ordem do dia, a futura sede da Junta de Freguesia foi um dos vários assuntos abordados. “Estou ansioso por a ver arrancar”, afirmou Domingos Faria, da bancada socialista. Em resposta, o presidente da Junta adiantou que o projecto, entregue a uma empresa, “está previsto estar pronto no início de Maio”.

Já no ponto da discussão e votação da Conta de Gerência de 2008, Paulo Maia, do PS, questionou o executivo pelo inventário. “Há bens adquiridos e era bom vermos o que há”, considerou o membro socialista. Já a rubrica referente ao apoio às famílias suscitou dúvidas por parte de Domingos Faria, que observou que nessa rubrica consta um valor “três vezes maior do que estava orçamentado. “Passou de 2500 para 7000 euros”, realçou o membro do PS, considerando que na rubrica da publicidade está patente “muito dinheiro”. Em resposta, Feliciano Castro, tesoureiro da Junta de Freguesia, explicou que na rubrica do apoio às famílias “pode estar alguma verba não relacionada com a rubrica”. Depois da várias intervenções, a Conta de Gerência de 2008 foi aprovada por maioria, com sete votos favoráveis do PSD e duas abstenções do PS.

No ponto “Diversos” da ordem do dia, Isabel Silva, membro do PSD questionou o executivo sobre a data da instalação de saneamento e de gás natural na freguesia. “O saneamento está para começar em Junho em Outeirô, cá em cima será em Setembro”, respondeu Fernando Moreira.

No período de intervenção do público, o covelense Sérgio Correia alertou o executivo para o caso “ainda não resolvido” da tampa junto à Capela de S. Gonçalo, que “está em cima da curva, a um nível mais baixo do que a estrada e a ocupar a faixa de rodagem”. Sérgio Correia enalteceu ainda a limpeza efectuada na freguesia, considerando que a mesma “está a evoluir”, mas lamentou que o rio continua a ser poluído pelos esgotos da Savinor. Em resposta, Fernando Moreira lembrou que em relação a essa situação “o presidente da Junta não tem voto na matéria” e que é necessário “dar tempo a que a conduta chegue a Rindo e esperar pela ligação das águas para limpar o rio”.