Câmara Municipal da Trofa deu posse ao Conselho Municipal de Juventude, constituído por representantes dos grupos associativos, políticos e escuteiros.

O espetáculo de fogo marcou o início de uma nova etapa para o Conselho Municipal de Juventude. A tomada de posse dos novos membros, representantes dos escuteiros, dos partidos políticos e grupos associativos, decorreu no Dia Mundial da Juventude, celebrado a 28 de março, na sede do Clube Slotcar da Trofa.

O Conselho Municipal terá apenas funções consultivas, permitindo que o executivo municipal saiba as verdadeiras pretensões dos jovens trofenses quanto às políticas de juventude. O presidente da Câmara Municipal da Trofa, Sérgio Humberto, espera que os representantes possam trazer “as suas ideias” e colocar “know-how, capacidade, irreverência e força que a juventude tem em prol da comunidade”, de forma a “resolver os problemas dos dias de hoje, mas também a projetar o futuro”. “Somos o concelho mais jovem do país e o que tem muita juventude com enorme capacidade. E é essa capacidade que queremos colocar ao serviço da juventude”, referiu, acrescentando que espera o contributo “transversal” nas áreas do “ambiente, área social, economia, educação, cultura e do planeamento”.

Além do presidente da Câmara e de Renato Pinto Ribeiro, vereador do pelouro da Juventude, o Conselho Municipal é constituído por representantes dos partidos políticos (exceto Bloco de Esquerda), Agrupamentos de Escuteiros de S. Martinho de Bougado, Santiago de Bougado, S. Romão do Coronado e Alvarelhos, Escola Secundária e Clube Slotcar da Trofa. Os membros do órgão consultivo, que se vão reunir “cerca de quatro vezes por ano”, foram nomeados pelas “associações escolhidas” pela autarquia trofense. Sérgio Humberto espera ter “contribuições de mais jovens”, rejeitando que o Conselho Municipal de Juventude seja “fechado” e “a olhar para o seu umbigo”.
O represente do Clube Slotcar da Trofa, André Coroa, espera que este seja “um momento de viragem no concelho no que toca à juventude”, e que o grupo possa “dar um novo rumo ao associativismo no concelho, assim como às iniciativas”, e que “cada um” possa “prestar algum aconselhamento à Câmara Municipal, transmitindo um bocadinho daquilo que acha do concelho, do que podemos fazer melhor e ajudar a juventude a ter um espaço melhor para viver”. Para isso, na sua opinião, é necessário existir “atividades que vão ao encontro das suas expectativas”, para que “as pessoas acabem por ganhar raízes ao seu concelho e não vão procurar aquilo que falta cá em terras vizinhas”.

Também Catarina Araújo, representante da Escola Secundária da Trofa, afirmou ter “todo o gosto e disponibilidade para fazer tudo o que estiver ao alcance para ajudar”, pois, “como jovem”, tem noção do “quão é necessário este género de iniciativas para cativar os jovens a fazer algo pela Trofa”.

A cerimónia contou ainda com a presença da Jaguares Airsoft Team (JAT), existente “há três anos”. Trata-se de “uma equipa trofense de tiro desportivo” que, segundo o sub-líder da equipa, Emanuel Lopes, “tem vindo a crescer” e recrutado “só membros trofenses”. Mesmo assim, precisa de “um bocadinho de apoios para as condições necessárias para a equipa”. Os interessados em experimentar a modalidade, idêntica ao paintball, podem contactar a equipa através da página do Facebook (www.facebook.com/JaguaresAirsoftTeam).

A sessão ficou ainda marcada por uma demonstração de dança pelo Alvadance e por uma lan party pela secção de videojogos do Clube Slotcar da Trofa.

Nova edição do OPJ arrancou

A data serviu ainda para o lançamento da edição de 2014 do Orçamento Participativo Jovem (OPJ) da Trofa, destinado a todos os jovens com idade igual ou inferior a 30 anos, que podem apresentar projetos para “melhorar o concelho”. Segundo o edil trofense, o OPJ, que mantém a comparticipação de “25 mil euros”, “pode e deve ser diferente”, sendo que a “principal alteração” é passá-lo para “o ano civil”, em vez de ser por “ano letivo”. Além disso, Sérgio Humberto pretende trabalhar este projeto “no futuro”, definindo as “áreas de intervenção por onde se deve direcionar o dinheiro”.