Poemas a falar da vila de Ribeirão estiveram a concurso. Iniciativa foi dos membros da Assembleia de Freguesia.

A Casa do Povo de Ribeirão recebeu um concurso de poesia aberto à comunidade da freguesia, na noite de sábado, 5 de julho. A ideia partiu dos elementos da Assembleia de Freguesia e contou com o apoio do deputado socialista da Assembleia da República, Nuno Sá, que ofereceu os prémios: cem euros para o 1.º classificado, 75 para o segundo e 50 para o terceiro.

O tema do concurso era “Vila de Ribeirão”, estava aberto a todos os ribeirenses e o único requisito era que os poemas a concurso teriam de conter a palavra “Ribeirão” para serem avaliados pelo júri, composto por professores de Língua Portuguesa.

A organização recebeu “23 poemas”, afirmou Joaquim Soares, membro da Assembleia de Freguesia, que explicou que o objetivo da iniciativa passava por “encontrar os poetas e os poemas populares escondidos”. “Muita gente tem capacidade de escrita e não consegue passar a mensagem”, afirmou, antes de enaltecer o envolvimento de Nuno Sá.

Por sua vez, o deputado da Assembleia da República, que nasceu em Ribeirão, destacou o valor do evento, afirmando que “enriquece muito o património cultural” da freguesia. “Esta iniciativa é tão importante como qualquer iniciativa que se possa fazer no Centro Cultural de Belém ou em qualquer ponto do país. Os ribeirenses são portugueses, querem envolver-se e ser apoiados, por isso deixo o desafio tanto à organização, como a toda a comunidade ribeirense, incluindo empresas, escolas e a própria junta de freguesia para que o concurso se repita. Eu estou disponível para apoiar”, frisou.

Nuno Sá gostava que, no futuro, resultante das várias edições do evento, fosse publicada “uma coletânea” com os poemas vencedores, para distribuir pelas “bibliotecas e escolas” de Ribeirão.

Eduardo Coelho foi o vencedor, enquanto Arminda Rodrigues levou o 2.º prémio e Hélder Martins completou o pódio.