“Vai começar. Já não há volta a dar. Põe os braços no ar. Aqui tu vais ser feliz”. Foi ao som do refrão da música “O Melhor Está P’ra vir” que se deu o momento alto do concerto solidário protagoni-zado por Pedro Abrunhosa, no dia 24 de outubro, na Casa das Artes, em Famalicão.

“Convocamos a criança que sobrevive em cada um de nós. Aquela criança que ao longo da vida, muitas vezes, sem darmos por isso, nos faz a nós todos ver-dadeiramente humanos. E é por essa criança que está aqui, em cada um de vós, que hoje vamos fazer esta noite solidária, este espetáculo, em nome de uma causa, a causa do direito de crescer em família”. Foi assim que o presidente da Mundos de Vida, Manuel Araújo, começou o discurso de abertura no concerto promovido pela instituição.
Todos os anos, a associação Mundos de Vida convoca todas as escolas do país para, no dia 20 de novembro, irem de pijama para a escola. “Momentos de pijama significam momentos de fa-mília, pelo aconchego, pela ternura, uma história que se conta à noite e, as crianças quando vão de pijama para a escola, ninguém lhes é indiferente”, explicou o presidente da associação.
Esta é a 3ª edição da campanha da missão pijama, apadrinhada, este ano, pelo artista Pedro Abrunhosa. Apesar de ser celebrado oficialmente em novembro, a sessão pública de apresentação já foi feita, “simbolicamente”, em Famalicão. “Daqui a uns dias celebra-se a convenção do Tratado Internacional (Convenção Internacional dos Di-reitos da Criança) que foi assinado por mais países em todo o mundo, até hoje” e cujo objetivo é lembrar que todas as crianças têm direito a crescer em família.
Em Portugal, 96 por cento das crianças separadas dos seus pais vivem em instituições quando podiam viver num ambiente familiar. “É possível fazer di-ferente”, realçou Manuel Araújo.
A canção “O Melhor está p’ra vir”, interpretada pela primeira vez por Pedro Abrunhosa, em conjunto com o coro infantil Pequenos Cantores da Maia, foi composta para esta missão.
Convidado a visitar a Mundos de Vida, o cantor Pedro Abrunho-sa considerou a experiência uma realidade de uma “imensa comoção” mas sobretudo de “enorme esperança”. “Eu acredito no amanhã porque existem Mundos de Vida por este país fora, salientou”.
O presidente da Câmara Municipal de Famalicão, Paulo Cunha, também marcou presença na atividade saudando a “pre-sistência” da Mundos de Vida. “É uma atividade que deixará para o futuro um legado de qualidade de vida e de sustentabi-lidade do ponto de vista da formação da personalidade, que é muito importante”, disse, realçan-do a importância da participação de todos os cidadãos nas ações que vão sendo realizadas para que se crie uma “dimensão nacional” a favor das famílias de acolhimento e do “cuidado que devemos ter” com todas as crianças e jovens, para o “bem do nosso portugal”.
Além dos 308 concelhos portugueses a participar nesta causa, este ano há uma particularidade: várias escolas de três estados do Brasil (São Paulo, Rio Grande e Paraná) também vão vestir pijama em nome de todas as crianças que crescem sem os pais.
O Menino que não sabia brincar é o livro da Missão Pijama deste ano e que faz parte do kit enviado a todos os inscritos na atividade. “Acolher uma criança pode não mudar o mundo, mas de certeza que muda o mundo daquela criança”, apelou o presidente da Mundos de Vida, Manuel Araújo.