O Centro Local de Apoio à Integração de Imigrantes será um pólo de informação ao imigrante, com um tratamento especializado e adequado às diferentes necessidades deste público alvo, com especial incidência para auxílio junto de entidades como a Segurança Social e Centro de Emprego.

"Uma porta aberta para todos os imigrantes que se instalarem na Trofa". Foi desta forma que Rui Marques, Alto Comissário para a Imigração e Diálogo Intercultural caracterizou o novo Centro Local de Apoio à Integração de Imigrantes (CLAII) que foi inaugurado no dia do Município.

Esta nova valência, que está localizada no Centro Comercial da Vinha, na Trofa, será um pólo de informação ao imigrante, com um tratamento especializado e adequado às diferentes necessidades deste público alvo, com especial incidência para auxílio junto de entidades como a Segurança Social e Centro de Emprego.altocomissario.jpg

A cerimónia de inauguração deste centro começou com a assinatura do Protocolo de Cooperação entre a autarquia e o alto comissariado e contou também com a presença de Pedro Barreto, representante do Ministro da Administração Interna.

Numa análise mais generalizada, Pedro Barreto, frisou a importância da abertura deste novo Centro Local, o octogésimo em actividade no país, como mais um "passo importante para o longo caminho a percorrer neste sector de apoio à imigração".

Quanto a números, o representante não deixou de referir o "excelente" lugar alcançado por Portugal, no Index de Políticas de Integração de Imigrantes (MIPEX), o mais completo estudo comparativo das medidas relativas à integração de imigrantes em 28 países (25 Estados Membros da União Europeia, Canadá, Noruega e Suíça) promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian e o British Council Portugal. Neste MIPEX Portugal apenas foi inferior à Suécia.

Já Rui Marques foi peremptório em afirmar que este CLAII é "mais uma aposta na inclusão dos imigrantes, uma das principais prioridades de toda a Europa". O alto comissário rejeita o pensamento "retrógrado" de que os imigrantes "são sinónimo de violência e risco para o emprego dos locais", relembrando que "por cada imigrante que entra no nosso país, existem dez portugueses a trabalhar no estrangeiro".

Com este Centro "passa a existir um ponto de contacto em que é possível a qualquer imigrante que aqui se dirija pedir informações, quer sobre questões de imigração em geral, quer sobre outros serviços da autarquia. É uma excelente forma de acolher quem chega, porque ninguém exerce os seus direitos nem cumpre os seus deveres se não estiver devidamente informado", asseverou.

Segundo o sítio do Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, o CLAII da Trofa "pondo em prática o conceito de Integração de Proximidade, terá ainda o papel pró-activo de animar e desenvolver iniciativas locais de aprofundamento do acolhimento e integração das comunidades imigrantes na sociedade portuguesa, envolvendo diferentes actores locais e sensibilizando a comunidade".

Portugal em 2º lugar no MIPEX

Quase sempre no fundo da tabela de muitos estudos realizados a nível europeu, Portugal conseguiu, finalmente, estar entre os primeiros numa temática que importa cada vez mais à União Europeia: a imigração. Apresentado a 16 de Outubro deste ano, na Fundação Calouste Gulbenkian, Index de Políticas de Integração de Imigrantes (MIPEX) é um estudo aprofundado e comparativo das medidas relativas à integração de imigrantes feita a 27 países europeus e Canadá.

Portugal conseguiu o segundo lugar, logo a seguir à Suécia, no que diz respeito à proximidade às melhores práticas no âmbito das políticas de integração de imigrantes.

Os pontos mais destacados nas políticas portuguesas dizem respeito ao acesso ao mercado de trabalho, ao reagrupamento familiar e à antidiscriminação ocupando todos o segundo lugar entre os 28 países do MIPEX. Segundo o relatório, "Portugal criou um quadro jurídico para a integração composto por políticas favoráveis e pelas melhores práticas."