Centenas de pessoas passaram pelas festas de S. Pedro, organizadas pela Associação Recreativa S. Pedro da Maganha. Marchas populares marcaram o ponto alto da romaria.

As Marchas de S. Pedro da Maganha marcaram mais uma festa popular daquela aldeia de Santiago de Bougado. Este ano, duas marchas desfilaram desde a Capela de Nossa Senhora do Desterro até à Maganha, onde crianças vestidas de de vermelho, e os adultos, com cores garridas, apresentaram as suas coreografias.

O largo junto à imagem de S. Pedro acolheu várias centenas de pessoas que, vindas das diversas freguesias do concelho, não quiseram perder o desfile das marchas, organizadas pela Associação Recreativa S. Pedro da Maganha.

“Gostei muito” e “estava muito bonito” foram as expressões que o NT mais ouviu junto do público. João Afonso denotou que “para as possibilidades” que a organização teve, as marchas estiveram “muito bem”, apesar de “em outros anos” terem sido “melhores”. Opinião partilhada por José Santos que mencionou que “as marchas têm vindo a baixar de qualidade”.

Já Cândido Novais declarou que “faz questão” de ver e “apoiar” as marchas, tendo “gostado muito” da “música, das roupas e do esforço que fizeram”. Apenas lamenta o espaço, avançando que este devia de “ser melhorado”, pois o “paralelo não é apropriado”. “Acho que o empenho que se nota nos figurantes e nas pessoas que estão por detrás da organização mereciam outro espaço. Depois vêm lá de baixo, fazem toda esta rampa enorme e muito inclinada e chegam aqui e ainda têm que dançar aqui num espaço em paralelo e muito estreito”, salientou.

Para António Castro, presidente da Associação Recreativa S. Pedro da Maganha, apesar do “calor imenso”, a noite de sábado estava “linda” e foi “magnífica”. “Os marchantes portaram-se lindamente, o público aderiu por demais. O recinto estava superlotado. Acho que tivemos um S. Pedro forte este ano”, afirmou, confirmando que a adesão do público foi muito boa durante os três dias de festa.

De forma a atender o pedido da comunidade, segundo António Castro as festas “têm que continuar”, sendo necessário “fazer um esforço” para que no próximo ano as marchas “estejam cá novamente”.

A festa profana contou com um desfile de moda, atuações do grupo Myllenium, da Banda de Música da Trofa, do grupo musical Cantares D’Outrora, do Grupo de Danças e Cantares de Santiago de Bougado e do Rancho Folclórico de São Salvador de Monte Córdova.

Já a parte religiosa esteve reservada para a tarde de sábado, com a realização da missa solene, onde decorreu a entronização da confraria de S. Pedro da Maganha e Santo Isidro e a bênção do novo estandarte.