Numa sessão que serviu para marcar calendário, o presidente da Junta de Freguesia de Covelas, Feliciano Castro, apresentou aos membros da Assembleia duas plantas referentes ao projeto do cemitério. O autarca explicou que só “existia um estudo prévio de 2007 que contemplava três talhões”, tendo o executivo decidido “alterar o que havia” para que ficasse “uma coisa digna”, depois de “ver o que estava feito e de ver no terreno”.
Além de o “terreno ser muito desnivelado”, o “outro projeto não contemplava um acesso do cemitério velho para a parte nova”. “Este já contempla e os três talhões que estavam previstos deixem de existir. Todas as campas ficarão ao mesmo nível. (Este projeto) não tem nada a ver, porque aquele era um estudo em que faltava fazer muita coisa, como pequenas especialidades como a parte elétrica”, enumerou.
Feliciano Castro adiantou que “ainda não tem valores” para a empreitada, mas que como “é logico hoje em dia não fica nada barato”. Neste momento, o presidente assegura que “é preciso é começar”, sendo “importante” para si fazer “entrar o projeto na Câmara (Municipal da Trofa) e que seja deferido”. Depois, há que “começar com vedações e muro de suporte que é necessário fazer no cemitério velho para sustentar partes que estão a querer ruir”. “E se não for feito num ano, será feito em dois conforme os investimentos e os apoios que possamos angariar. O importante é começar e fazer algumas partes importantes para termos algumas condições e até na eventualidade de não termos espaço no velho arranjar algum na parte nova para nos podermos socorrer”, salientou.
O autarca informou ainda que “parece que esta Câmara (da Trofa) vai interpor um recurso” por causa da limitação dos limites do concelho, uma vez que há uma indefinição principalmente “na zona de Ervosa”, por causa de “valores” que estão em causa “em termos de impostos”. “Para já não há acordo entre as partes, vai ter que ser a nível de tribunal para decidir e pôr limites, porque penso que de outra forma é capaz de ser complicado”, afirmou, adiantando que, “se isto for avante”, como a Junta de Freguesia tem “limites de Covelas com Santa Cristina também vão ficar envolvidos no processo”.
Antes de encerrar a sessão, Antero Castro (PS) propôs que esta Assembleia aprovasse “um voto de pesar” pelo falecimento de Bernardino Vasconcelos, primeiro presidente da Câmara Municipal da Trofa, devido “ao que fez a esta freguesia”. Feliciano Castro concordou, também “pela pessoa que foi” e por “todo o respeito que merece”.