Select Page

CAT “vinga” derrota da 18ª Jornada

cat_net_1.jpg

 

 

 

 

O CAT venceu o primeiro jogo da segunda volta frente às açoreanas do Ribeirense, depois de ter perdido nos Açores há uma semana atrás, no ultimo jogo da primeira volta.

Quanto à Taça de Portugal, o CAT segue em frente depois da falta de comparência das famalicenses do AVC.

Para tentar esquecer a péssima exibição da 18ª Jornada frente ao Ribeirense por 3-0 e pelos parciais de 25-23, 25-16 e 25-17, nada melhor que uma vitória, e frente ao mesmo adversário. O primeiro jogo da segunda fase opôs Clube Académico da Trofa e Ribeirense e, desta vez as trofenses não desanimaram e arrecadaram uma vitória preciosa frente às açoreanas. Contudo tiveram que se empenhar para vencer e o resultado dos sets é reflexo claro das dificuldades sentidas pelas campeãs nacionais. Os dois primeiros parciais fixaram-se em 25-21 para as trofenses, mas a vitória do terceiro pertenceu ao Ribeirense que, ao estar a perder por 23-20 recuperou e acabou por levar a melhor (25-27).

Prosseguir para a “negra” não interessava às trofenses, que no derradeiro set não permitiram às adversárias uma nova recuperação e venceram por 25-20.

No final do jogo, Manuel Barbosa referiu a importância de vencer este jogo, “devido ao que se passou no jogo passado a equipa não realizou um jogo como desejava. Contudo vinha motivado e confiante na vitória”.

Por seu lado o treinador vencido, Luís Sousa assumiu que “não foi um bom jogo, entramos mal, ainda tentamos contornar a situação no terceiro set, mas não foi o suficiente. O treinador frisou ainda que o “calcanhar de Aquiles” da sua equipa neste jogo foi a falta de eficácia e organização no capítulo da recepção. “Tínhamos uma maior pretensão neste jogo e podíamos ter feito bem melhor”, concluiu Luís Sousa.

Taça de Portugal

Relativamente à Taça de Portugal, a actual campeã segue em frente, não por ter vencido o AVC, mas por falta de comparência da equipa adversária. Com problemas relativos à falta de jogadoras, a equipa de Famalicão solicitou o adiamento do jogo ao Clube Académico da Trofa, mas tal não foi aceite pelos dirigentes, que explicaram que o AVC só pediu a alteração da data do jogo referente aos quartos de final ao final da tarde. Já Óscar Barros, treinador do AVC, afirmou que não entende a razão pela qual os clubes vivem neste clima de rivalidade.

Videos

Loading...

Siga-nos

1ª página da edição papel

Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma experiência mais personalizada. Ao navegar está a permitir a sua utilização