cat 

Foi exactamente esta a equipa que protagonizou a única derrota da equipa da Trofa na época transacta, mas para a Taça de Portugal, que marcou a sua eliminação da prova.

No passado domingo, o conjunto maiato superiorizou-se ao campeão e mostrou argumentos suficientes para se assumirem como sérios candidatos a roubar o “ceptro” às trofenses.

Sem Juliana Silva, lesionada, e Neuza Reis, ainda em recuperação, o CAT viu o adversário entrar melhor no serviço e chegar ao primeiro tempo técnico com uma vantagem de dois pontos.

Incapazes de suster a superioridade das maiatas, a equipa da Trofa foi cedendo no marcador e a desvantagem foi-se dilatando até aos sete pontos (20-13). Depois de dois tempos pedidos por Manuel Barbosa, as trofenses conseguiram recuperar até ao 21-20, mas depois de um serviço falhado, o Gueifães voltou a comandar até ao fecho do set (25-21).

No segundo set, o CAT entrou melhor e chegou à vantagem por dois pontos (9-11). Mas depois de um ataque, o Gueifães conseguiu inverter o marcador e obrigou Manuel Barbosa a utilizar um pedido de tempo.

O Gueifães aproveitou para aumentar a vantagem até aos 16-12, mas o CAT haveria de dificultar a tarefa às maiatas, empatando aos 19 pontos. O Gueifães chegou ao 23-22, mas foi o Trofa que teve nas mãos, por duas vezes, o ponto de set, mas desperdiçou, dando o segundo parcial de vantagem às adversárias (27-25).

No último parcial o Gueifães controlou e, conseguindo a vantagem nos dois tempos técnicos (8-3 e 16-11), só viu o CAT recuperar na recta final, reduzindo a desvantagem para 24-23. No entanto, as maiatas não desperdiçaram a oportunidade de fechar o jogo e venceu, com 25-23.

Em declarações ao site SOVOLEI, o técnico do Gueifães afirmou que “a equipa tem vindo a evoluir”, mas ainda não está plenamente satisfeito com o rendimento das atletas: “Sabemos que o grupo tem muita qualidade, muitas capacidades que ainda não está aproveitada ao máximo e conciliar isso com vitórias é muito bom”, referiu.

“O Trofa continua a ter as suas capacidades e as suas qualidades, é um adversário muito forte com atletas individualmente muito evoluídas e com grande rendimento em jogo. Estudamos bem, contrariando algumas situações em que teriam vantagem e foi um jogo entre duas boas equipas em que ganhou a que esteve melhor”, concluiu.

Por seu lado, Manuel Barbosa, treinador do CAT, reconheceu ao mesmo site o “mau jogo” e frisou a oportunidade desperdiçada da equipa de fechar o segundo set.

“Em 77 pontos que o adversário fez, nós demos 27 sem trabalhar, rematando para fora, falhando bolas fáceis, demos logo mais de um set de vantagem, e isso é fundamental entre das equipas equilibradas. Algum dia tínhamos de perder, já não perdíamos há um ano e uns meses e foi hoje. O campeonato ainda está a começar, temos ainda sete meses pela frente para treinar e melhorar o que fizemos hoje mal”, considerou.

O Clube Académico da Trofa segue no campeonato atrás do Ribeirense, do Gueifães, do Clube K e do Sporting de Braga, todos com duas vitórias em outros tantos jogos.

O próximo jogo é na Trofa, no pavilhão desportivo de S. Romão do Coronado, e com a equipa bracarense.