O Clube Académico da Trofa sagrou-se bi-campeão do campeonato da Divisão A1 de voleibol feminino, depois de ter vencido o terceiro jogo do "play-off" com o Ribeirense.

  cat-campeao-net.jpgO pavilhão desportivo da EB 2,3 de S. Romão do Coronado foi pequeno para acolher as largas centenas de trofenses que acreditaram que as atletas de Manuel Barbosa iriam conseguir a terceira vitória na final. As jogadoras não defraudaram expectativas e numa abordagem muito concentrada à partida, não deram qualquer hipótese de reacção às adversárias, vencendo-as pela margem máxima.

Desde cedo a equipa insular mostrou algum nervosismo, falhando no serviço e na defesa. As pupilas de Fabiano Kwiek não conseguiram sacudir a pressão da desvantagem de dois jogos e foram incapazes de responder com qualidade às investidas das trofenses. O primeiro parcial, vencido pelo CAT, acabou por ser o mais produtivo para as açorianas, que conseguiram 18 pontos.

O equilíbrio pontual no início do segundo set fazia antever um jogo mais equilibrado, mas a verdade é que as insulares voltaram a fraquejar em momentos decisivos e deixaram as trofenses caminhar tranquilamente para novo triunfo, desta feita por um expressivo 25-15.

Nitidamente insatisfeito com o desenrolar da partida Fabiano Kwiek acabou por ser expulso do banco da sua equipa, depois de ter discutido uma decisão dos árbitros da partida, alegando uma falta de uma atleta da Trofa, quando o terceiro parcial indicava 11-2.

Num sistema de contenção, Manuel Barbosa aproveitou para fazer rodar várias jogadoras no derradeiro parcial, que foi conquistado com alguma facilidade, por 25-16.

No final a alegria era o sentimento dominante no pavilhão romanense, entre jogadoras, dirigentes e adeptos.

Fabiano Kwiek, bastante desagradado com a arbitragem, recusou-se prestar declarações ao NT, tendo falado no seu lugar, o presidente do Ribeirense, José Tomé, que apesar da derrota fez um balanço positivo da temporada: "Foi uma época muito positiva. Começamos muito mal a temporada, tivemos problemas com atletas até agora nos jogos dos play-off, e eu nunca acreditei que a nossa equipa este ano chegasse ao segundo lugar. O CAT merece porque foi a melhor equipa dos últimos três jogos e, por isso, está de parabéns, assim como nós por sermos vice-campeões pela segunda vez".

Uma fase final "difícil", mas uma vitória "justa". Esta é, pelo menos, a opinião de Manuel Barbosa. O técnico trofense afirmou que nestes três jogos "o CAT jogou melhor que o Ribeirense", pelo que "mereceu o título".

Depois desta conquista o trabalho "ainda não está acabado", faltando agora alcançar o róximo objectivo de levar a equipa júnior à "final four". Manuel Barbosa anunciou ainda ao NT que está "disponível" para continuar no comando do CAT, apesar de ainda não ter sido interpelado pela direcção.

O treinador deixou ainda uma palavra de apreço à falange de apoio que encheu o pavilhão desportivo. "Foi um público excepcional e deu uma grande ajuda para ganharmos o campeonato".

Este é o terceiro campeonato vencido pela equipa da Trofa, e o segundo consecutivo, e mais um título para juntar aos já conquistados ao longo de quatro épocas a actuar na competição nacional.

 

Catia Veloso