trofenseO Trofense apresentou na Liga Portuguesa de Futebol Profissional uma participação contra o Belenenses, por alegada utilização irregular do brasileiro Vinicius Pacheco, noticiou sexta-feira a Rádio Renascença.

    O Trofense alega que Vinicius jogou na mesma época por três clubes diferentes – Flamengo, Ipatinga e Belenenses -, num caso semelhante ao que envolveu o Belenenses e o futebolista camaronês Meyong e que contraria os regulamentos da UEFA e da FIFA.

Esta quarta-feira o Trofense tornou publico um comunicado sobre o assunto, que passámos a trancrever:

O Clube Desportivo Trofense, como é do conhecimento público, deu entrada nos serviços da Liga Portuguesa de Futebol Profissinal (LPFP) uma participação disciplinar, na qual é requerida a intervenção da Comissão Disciplinar no sentido de ser apurado a eventual ocorrência de ilícito disciplinar por parte de “Os Belenenses” – Sociedade Desportiva de Futebol, SAD, pela utilização do seu jogador Vinicius Pacheco Santos.

É profunda convicção do C.D.Trofense que a correcta interpretação do n.º3 do Art.5º do RETJ da FIFA não permita que o atleta Vinicius Pacheco possa ser utilizado regularmente por um terceiro clube durante a presente temporada, depois de ter sido utilizado por dois clubes no Brasil.

Acresce o facto, que a norma da FIFA em questão, surge na sequência directa do “Caso Mascherano”, sendo certo que a situação objecto da participação efectivada pelo C.D.Trofense, não tem paralelismo com esta, sendo materialmente diversa, como se pode aferir pela análise dos documentos entregues juntamente com a referida participação, assistindo ao C.D.Trofense o direito de, perante a factualidade demonstrada, requerer a intervenção dos órgãos competentes, não podendo ser menosprezada a regra do pensamento jurídico que nos diz que o intérprete tem o dever de considerar “as circunstâncias em que a lei foi elaborada e as condições específicas do tempo que é aplicada”.

Queremos ainda ressalvar nesta questão, a instituição “Os Belenenses Clube/SAD”, os seus dirigentes, e os seus sócios e simpatizantes, pelos quais nutrimos o maior respeito, mas não podemos deixar de defender os interesses do C.D.Tofense, sempre e quando entendamos que o devemos fazer.