A Escola EB 2/3 Napoleão Sousa Marques e a Europacolon desenvolveram um projecto de quatro meses que visou a prevenção do cancro do cólo-rectal. A iniciativa motivou um estudo e a alteração da cantina.

“Com um conto acrescento um ponto à minha saúde”. Este foi o desafio lançado aos alunos do 6º ano da Escola EB 2/3 Napoleão Sousa Marques, que juntamente com a associação Europacolon desenvolveu um projecto que se estendeu a um estudo e a outras iniciativas que motivaram a nova decoração da cantina.

Prevenir o cancro do cólo-rectal serviu de mote para o desenvolvimento deste projecto que durou quatro meses e que concluiu que 46 por cento dos alunos não come fruta diariamente e que 10 por cento nem sequer toma pequeno-almoço. Indicadores que despoletaram alguma preocupação e que levaram à mobilização dos professores da escola que abraçaram o projecto e concluíram com a entrega de prémios aos vencedores do conto sobre hábitos alimentares saudáveis.

projecto-saude

À mobilização dos professores juntou-se a “grande receptividade dos alunos”, segundo Ana Maria Ribeiro, coordenadora do Gabinete Promotor de Saúde da escola que, em entrevista ao NT/TrofaTv, explicou que “o projecto visava promover hábitos alimentares saudáveis e que depois de analisado verificou-se que se encaixava perfeitamente no projecto educativo da escola”.

“O projecto começou por uma sensibilização dos alunos e o grande trabalho deles era escrever um conto. Reunimos com os pais, com os professores e funcionários e houve um momento em que sentimos que tínhamos de mudar na prática”, afirmou.

A prática passou pela “grande alteração da cantina”, em que “os alunos passaram a estar sensibilizados para os colegas lavarem as mãos e estarem correctamente sentados”.

Para Vítor Neves, presidente da Europacolon, a iniciativa “tem um significado muito importante”. Esta segunda experiência numa escola insere-se numa “prevenção elementar” junto dos alunos, que visa “combater o cancro do intestino”, já que 90 por cento dos cancros surgem, segundo o responsável, “por atitudes comportamentais”.

“Dedicamos 70 por cento da nossa actividade à área da prevenção, que deve começar pelos alunos, no sexto ano, porque é a altura em que eles dão o aparelho digestivo e nós complementamos os dados científicos que vêm nessa área. Fizemos reuniões constantes com os directores de turma, Conselho Executivo e com os pais e ao fim de quatro meses os resultados apareceram”, adiantou.

A ideia, segundo Vítor Neves, “não é fazer com que eles deixem de comer batatas fritas, mas sim fazê-los perceber que para além dessa comida já outra que pode ser mais saudável e que no futuro os ajuda a sair daquelas faixas de sobrepeso que começam a ser inquietantes”.

Os métodos para um vida saudável são fáceis e já muito conhecidos: ” fazer mais exercício físico, comer melhor, variando a alimentação. Os pais podem ajudar muito em casa, porque aquilo que se faz na escola pode ser feito em casa e os próprios pais podem aproveitar este tipo de dietas e comer de forma mais saudável e não terem aquelas dietas fanáticas”, referiu.

Afirmando que esta foi “uma óptima promoção de saúde para a Trofa”, Vítor Neves adiantou que a Europacolon vai prosseguir com este tipo de iniciativas junto das escolas e com as actividades primárias para os adultos por todo o país, desenvolvidas há já dois anos e que disponibilizam consultas de psicologia e de nutrição gratuitas.

Para além de frisar que “a comunicação social tem um papel imprescindível para a promoção da actividade da Europacolon”, o presidente da associação referiu ainda que “é necessário que as entidades políticas ajudem”.

Ao apelo de Vítor Neves, a representante parlamentar do PS na apresentação do projecto, Joana Lima, garantiu que vai sensibilizar o Ministério da Saúde para apoiar a Europacolon. “Vou sensibilizada para chamar a atenção do senhor Secretário de Estado da Saúde, Manuel Pizarro, o grupo parlamentar que estou a representar e com certeza tenho que levar o feedback de tudo o que se passou aqui para dizer claramente que é preciso apoiar associações como a Europacolon que está a fazer um trabalho notável”, afirmou a deputada, em declarações ao NT/TrofaTv.

A deputada socialista louvou ainda a iniciativa desenvolvida no estabelecimento de ensino, afirmando que “é com gente que está preocupada com o bem-estar dos outros que se sente bem, assim como de trofenses como estes com projectos que levam o concelho para a frente”.

Joana Lima teve ainda oportunidade de entregar o primeiro prémio aos vencedores do conto, numa cerimónia que também homenageou professores e directores de turma.