O Clube Slotcar da Trofa está a preparar a 5º edição das 24 horas de slotcar, que vai decorrer este fim de semana, entre os dias 18 e 20 de janeiro, no salão polivalente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Trofa. Organização conta com dois estagiários da Escola Secundária da Trofa.

 

 Uma semana antes de mais uma edição de 24 horas de slotcar, o Clube Slotcar da Trofa (CST) já começou a preparar o local da prova. Depois das tábuas de madeira já colocadas, segue-se a montagem dos cabos elétricos e das duas pistas, que, no total, vão contar com “16 calhas de competição”.

Uma das novidades desta 5ª edição tem a ver como “o perímetro das pistas”, que, em vez dos habituais “cerca de 38 metros” aumenta para os “46 metros”. Por essa razão e também porque a “conjuntura não é favorável”, esta prova de 24 horas de slotcar apenas vai contar com 16 equipas, provenientes de Portugal e de Espanha.

A preparação da prova já começou há “uns meses atrás”, com o convite às equipas participantes. Tudo para que, quando faltar “quatro a cinco dias” para a prova, esteja tudo “mais ou menos a um bom ritmo”, para que no dia o clube seja “bom anfitrião na Trofa”.

Quanto ao facto desta edição decorrer apenas seis meses depois da última, realizada em julho, João Pedro Costa, presidente do Clube Slotcar da Trofa, contou que houve essa necessidade de criar uma “prova intermédia” devido aos pedidos que os “slotistas a nível nacional” fazem, por reconhecerem que “as pessoas que compõem o CST são capazes de organizar uma prova com esta envergadura”, que em outros sítios “não conseguem fazer”.

Já o facto de a 5ª edição voltar a ser organizada no salão polivalente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Trofa (AHBVT) e não no pavilhão do Centro Recreativo de Bougado, como aconteceu em julho, teve essencialmente a ver com o tempo que está “um pouco mais frio”. “Seria necessário encontrar um local com outro tipo de conforto e o pavilhão da AHBVT assegura-nos esse conforto e tem excelentes condições”, afirmou, mencionando que, enquanto na 3º edição contaram com “o apoio e a ajuda da Câmara Municipal da Trofa” com o espaço, desta vez teve que ser a coletividade a “chegar a um acordo” com a direção dos AHBVT.

Relativamente às perspetivas para esta edição, João Pedro Costa garante que são “iguais às anteriores”, sobretudo com “a consciência tranquila” de que estão a fazer de tudo para “honrar o bom nome da Trofa e da associação”. “Espero que corra tudo de acordo com o previsto, que não surja grandes imprevistos e que de facto conseguir que no final da competição todos possam estar satisfeitos”, concluiu.

Em temos “desportivos e competitivos”, o presidente da coletividade espera ainda que “a sorte” esteja do lado das duas equipas do clube que vão participar e que estas consigam “uma vitória”.

Também durante este fim de semana, o Clube Slotcar da Trofa está a promover uma Lan Party, que vai contar com meia centena de participantes. Uma iniciativa que reúne jogadores para disputarem vários torneios de jogos como Counter Strike, League of Legions ou Trackmania.

 

Organização conta com estagiários da Secundária

A organização da 5ª edição do Clube Slotcar da Trofa (CST) além de contar com “cerca de dez pessoas” “afetas” à coletividade, conta ainda com a participação de dois alunos do Curso Tecnológico de Desporto da Escola Secundária da Trofa. Isto porque a associação assinou, na sexta-feira, um protocolo, que prevê que Tiago Dias e João Costa cumprar o seu estagio durante 12 semanas no clube.

Como “o início de estágio” coincide com a realização deste evento, a direção decidiu colocá-los “entre os organizadores”. “É com muito gosto que o clube os tem entre os organizadores e estão realmente a desempenhar um papel fundamental e fantástico em termos de entrega ao projeto, porque ao fim e ao cabo acaba por ser gente nova a vir trabalhar com pessoas já um pouco batidas neste tipo de eventos, o que acaba sempre por trazer outras ideias e outra interação, o que tem sido extremamente interessante”, afirmou João Pedro Costa.

Para João Costa é com “muito gosto” que faz parte da organização deste “evento internacional e de grande porte”. Uma responsabilidade que considera ser “elevada”. “Tínhamos que escolher uma entidade de estágio, onde iríamos estagiar. Escolhemos o CST e estamos a verificar que é uma boa escolha e para já estamos a gostar de organizar este evento”, referiu.

Tiago Dias, que está a “gostar deste estágio”, pensava que a organização desta prova era “muito mais simples”, mas enganou-se: “requer muito trabalho e muitos dias também”. Opinião partilhada por João Costa que asseverou que quem olha para as pistas quando já estão montadas, não imagina o “trabalho muito duro”, quer física como psicologicamente, que está “por trás”.

Para os alunos é sem dúvida “muito bom e gratificante” participar na organização deste evento, pois estão a por em prática aquilo que aprenderam durante o curso. “Nós imaginamos vários eventos e fazemos como se fossemos a realizar. Agora estamos a por à prova mesmo a sério. Para além de ser um bocado diferente, aqui participamos mais na montagem das pistas. Mas conseguimos verificar também como é que isto se faz formalmente, porque as pessoas foram boas connosco e explicaram como é que as coisas se realizam, todos os ofícios, todas as maneiras de se tratar com a associação”, concluíram.

{fcomment}