Depois de uma manhã de chuva em que se caçaram perdizes, o Clube de Caçadores da Trofa prepara uma batida à raposa, a 10 de fevereiro.

 Os mais resistentes apanharam mais chuva, mas também saíram a ganhar na caçada às perdizes de salto. Na manhã de domingo, em que a chuva caiu copiosamente, houve grupos que não desistiram e conseguiram caçar mais do que um exemplar.

O gosto por este desporto não amedrontou os cerca de 45 homens que não faltaram à chamada do Clube de Caçadores da Trofa e participaram na única caçada às perdizes no concelho e que marcou o fecho da época geral, onde é possível caçar as espécies sedentárias.

Os participantes, mesmo assim, representam uma “pequena percentagem” dos “cerca de 250” caçadores inscritos no Clube, de onde a maior parte prefere “a caça ao coelho”, explicou o presidente da coletividade José Silva.

 

A freguesia mais representada no Clube de Caçadores é “Santiago de Bougado”, seguida de S. Martinho de Bougado, mas também há caçadores de concelhos limítrofes, como “Maia, Famalicão e Vila do Conde”.

José Silva fez um balanço “positivo” da caçada, tendo em conta a chuva e a afluência “razoável” dos caçadores. No final, os participantes, alguns dos quais ainda foram a casa mudar de roupa, conviveram num almoço, na freguesia de Covelas.

O Clube de Caçadores da Trofa divulga agora a próxima atividade, uma batida às raposas, que se realiza no dia 10 de fevereiro, em parceria com a Zona de Caça Municipal do Vale do Leça. As inscrições têm o valor de cinco euros e são feitas no dia e no local de concentração, sede do Grupo Desportivo de Covelas, junto à capela de S. Gonçalo, a partir das 8 horas. Os caçadores devem fazer-se acompanhar de todos os documentos exigidos pela lei da caça.