BSE 

O resultado da autópsia ao corpo de Sara Pereira, a jovem de 16 anos que morreu, em Fevereiro, em Famalicão, confirma que sofria da doença de Creutzfeld-Jakob disse, esta manhã, à Lusa, o pai da menina.

“Foi confirmada, em estudo neuropatológico de cérebro pós-morte realizado no Hospital de S. João, a doença de Creutzfeldt-Jakob”, refere a carta, recebida esta manhã, pelos pais de Sara Pereira, a jovem de 16 anos, que morreu com a variante humana de Encefalopatia Espongiforme Bovina (BSE).

A carta, enviada pelo Hospital de S. Marcos, em Braga, informa os pais da jovem de que a filha sofria de “doença neurodegenerativa crónica”.

O diagnóstico provável da doença de Creutzfeldt-Jakob, vulgarmente conhecida como doença das vacas loucas, que deixou Sara Pereira em estado vegetativo durante dois anos, foi confirmado pela autópsia.

“Depois de muitos pedidos nossos, o hospital de Braga enviou-nos uma declaração onde relata a doença da nossa filha e confirma a causa da morte”, salientou David Pereira, pai de Sara.

A declaração, assinada pelo médico Álvaro Machado, não responde, contudo, a todas as dúvidas dos pais.

“Preciso de saber que doença é esta que matou a minha filha. Dizem que foi por ela comer carne de vaca mas ela não comeu uma vaca sozinha e mais ninguém ficou doente”, frisou David Pereira.

O pai da jovem vai apresentar um novo requerimento junto das autoridades de saúde para saber “mais pormenores sobre a doença e sobre a forma como a Sara foi tratada depois de morta”.

“Foi uma tristeza muito grande nunca mais ter visto a minha filha depois de ela ter entrado no Instituto de Medicina Legal. Nós mandamos roupa para a vestirem e devolveram-nos a roupa porque apenas a embrulharam num lençol antes de a meter numa urna especial”, recordou o pai.

Contactada pela Lusa, a administração do Hospital de S. Marcos, onde a jovem esteve internada por diversas vezes e onde era acompanhada pelo serviço de neurologia, confirmou que a unidade de saúde foi “notificada sobre a conclusão da autópsia”.

Em comunicado, a administração remete o envio de informações sobre o processo clínico apenas para David Pereira.

Lusa

Foto:  www.abc.net.au/news/newsitems/200509/s1452060.htm