As candidaturas a Bolsas de Investigação Científica da Fundação Bial atingiram, este ano, o número recorde – 202 candidaturas – envolvendo um total de 662 investigadores de 27 países. Este ano, os EUA, com 23 candidaturas, Portugal, com 45, e o Reino Unido, com 56, foram os países que mais contribuíram para o elevado número de projectos a concurso. A oitava edição das Bolsas de Investigação da Fundação Bial, que decorreu de Abril a Agosto deste ano, dirigiu-se uma vez mais à área das neurociências, nomeadamente à psicofisiologia e à parapsicologia.

O sistema de bolsas é segundo a instituição “uma referência no apoio à investigação e junto da comunidade científica internacional”.

Este ano, os EUA, com 23 candidaturas, Portugal, com 45, e o Reino Unido, com 56, foram os países que mais contribuíram para o elevado número de projectos a concurso. Nos trabalhos recepcionados destaca-se a presença de prestigiados cientistas de algumas das mais famosas Universidades como Londres, Cardiff e Edimburgo do Reino Unido e Virgínia e Califórnia dos Estados Unidos.

Entre os candidatos estão também representantes de vários centros de investigação e universidades nacionais, assim como instituições canadianas, alemãs, argentinas, japonesas, francesas, entre muitas outras.

As bolsas, com a duração máxima de três anos, têm início a 1 de Novembro de 2008 e terminam a 31 de Outubro de 2009. As candidaturas aprovadas beneficiarão de bolsas num valor compreendido entre 5 mil euros e 50 mil euros, determinado em função das características de cada projecto.

Criado em 1994 pela Fundação Bial, o sistema de Bolsas de Investigação Científica, tem como objectivo incentivar a investigação centrada sobre o Homem, tanto sob os aspectos físicos como sob o ponto de vista espiritual, nomeadamente em áreas ainda pouco exploradas mas susceptíveis de profunda análise científica como é o caso da psicofisiologia e da parapsicologia.

Desde a sua criação em 1994, as candidaturas ao sistema de bolsas têm vindo a aumentar sucessivamente. Refira-se que no primeiro ano a Fundação Bial recebeu 48 candidaturas e até ao momento já apoiou um total de 261 projectos de 840 investigadores provenientes de 22 países.

 

Candidaturas ao Prémio Bial 2008 abertas até final de Outubro

 

Outra das referências da Fundação Bial é o Prémio Bial, considerado um dos prémios de investigação científica de maior prestígio na área da Saúde em toda a Europa. Até 31 de Outubro continuam abertas as candidaturas ao Prémio Bial, galardão dirigido a todos os médicos, contemplando quer a investigação básica, quer a pesquisa clínica, e que atribui mais de 200 mil euros.

Criado em 1984, o Prémio Bial constitui um estímulo à investigação médica, promovendo a qualidade e a inovação na área da saúde. O prémio engloba duas modalidades: o Grande Prémio Bial de Medicina, no valor de 150 mil euros, destinado a galardoar obras nacionais ou internacionais, de índole médica, com tema livre que representem uma investigação de grande repercussão, qualidade e relevância científica e o Prémio Bial de Medicina Clínica, no valor de 50 mil euros, que visa distinguir um tema livre de elevada qualidade dirigido à prática de Clínica Geral. São ainda atribuídas quatro menções honrosas, no valor de 5 mil euros.

O júri da edição de 2008 do Prémio Bial é presidido por João Lobo Antunes, professor Catedrático de Neurocirurgia da Faculdade de Medicina de Lisboa e Prémio Pessoa 2006, é autor de numerosos artigos científicos e editor de vários livros na área das Neurociências.

Em 12 edições já realizadas, o prémio distinguiu um total 77 obras de 173 autores. Foram, ainda, editadas e distribuídas gratuitamente pela classe médica e científica 29 obras premiadas.