Desde outubro que a biblioteca situada no espaço Cultural Engenheiro Hernâni Gonçalves Cunha, no quartel/sede da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Trofa, está aberta ao público.

“A biblioteca já está em pleno funcionamento”. Foi desta forma que Ana Luísa Oliveira, arquiteta responsável pela Biblioteca e Museu da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Trofa (AHBVT), anunciou que a biblioteca está aberta à comunidade desde outubro.

Até há bem pouco tempo, para usufruir da biblioteca ou do museu “as pessoas tinham que fazer marcação para poderem visitar” ou então um bombeiro mostrava as instalações a quem aparecesse. Agora, a biblioteca está “oficialmente aberta ao público”, havendo um “horário de funcionamento”, que pode ser aproveitado pelas pessoas para consultarem livros ou estudarem. A biblioteca está aberta às terças e quintas-feiras, das 10 às 12 horas, e às quartas-feiras e sábados, das 14 às 17 horas.

A responsável por estas valências tem ainda contado com a “ajuda de um elemento da Biblioteca da Casa da Cultura no processo de catalogação dos livros”. O próximo passo é disponibilizar os livros para quem os quiser ler em casa. Segundo Ana Luísa Oliveira, que está a coordenar a biblioteca e museu em colaboração com a direção da AHBVT, embora “ainda não haja o sistema de requisição digital de livros”, inicialmente será feito de forma “manual”, para que as pessoas “possam usufruir um bocadinho mais das vantagens”.

De forma a atrair utentes à biblioteca, a responsável quer organizar “eventos periódicos, como por exemplo apresentações de obras de pessoas da Trofa, workshops e seminários” e criar “um cantinho infantil”. Para Ana Luísa Oliveira, com este espaço no “centro da cidade”, “as pessoas, principalmente os jovens, têm um espaço para estudar”, ou para “consultar livros, que são muito úteis”. “Queremos que haja movimento para as pessoas poderem perceber que têm este espaço tão à mão”, frisou.

O museu estará aberto nos mesmos horários, mas “para já” o objetivo passa por atrair “mais gente” à biblioteca. Ana Luísa Oliveira conta ter o museu a “funcionar a cem por cento até ao final deste ano”, estando já a “tratar do guião e do inventário de todas as peças que existem no museu”, para depois começar “a organizar as visitas guiadas”. “A ideia é poder trazer pessoas de todas as faixas etárias, abrangendo toda a comunidade. Estes projetos, a par da Creche e Jardim de Infância e da Universidade Sénior Rotary da Trofa vêm completar um dos principais objetivos da AHBVT: abranger a comunidade, desde os mais novos aos seniores, servindo como elo de ligação entre gerações e conseguindo desta forma criar uma vertente social, única a nível nacional”, concluiu.

Pode acompanhar estas valências no sítio da internet (http://bombeiros.ahbvtrofa.pt/).