Mas a grande novidade da festa de S. Gonçalo está reservada para a manhã de domingo, dia 20, com a bênção dos capacetes, uma atividade inédita na romaria. “Talvez não corresponda às nossas expectativas, mas queremos que vire tradição e alguém tem de a começar”, explicou Tânia Silva.
A iniciativa destina-se a todos os que se deslocarem à festa, seja de bicicleta, de mota ou a cavalo. Os interessados em participar podem inscrever-se numa de duas modalidades: bênção e recordação (lenço) têm o custo de 2,5 euros, mais cinco se quiserem incluir sande e bebida.
As inscrições podem ser feitas na tasca dos Gonçalinhos, situada na residência paroquial, nas traseiras do cemitério de Covelas. Mais informações podem ser encontradas na página de Facebook da comissão de festas (Os Gonçalinhos – Comissão de Festas 2019 – Covelas).
A bênção acontece a partir das 10 horas, junto à Igreja de Covelas, seguindo-se depois um desfile até à Capela de S. Gonçalo.
Tânia Silva crê que, este ano, “as festas ficam no patamar muito alto” e incentiva quem vier a seguir. “Quem tiver muita força de vontade consegue. Não nos podemos rebaixar. Nós fomos um tiro no escuro e conseguimos”, atira.
O orgulho no trabalho e na comunidade que representa ressalta a cada frase que a jovem profere ao longo da entrevista concedida ao NT. E por considerar que Covelas se torna na “capital do município” nesta altura, Tânia Silva não tem dúvidas de eleger a melhor altura para visitar a festa: “É engatar na sexta-feira e sair de lá na segunda”. Para muitos, será assim, num ambiente animado… e bem regado. À boa moda popular como só Covelas sabe ser.