Dois anos depois de ter sido Campeão do Mundo, João Pedro Costa, criador de aves, venceu o 60º Campeonato do Mundo, com o Diamante Papagaio Verde Mar, filho do campeão do mundo, de há dois anos.

O Campeonato do Mundo com 26 mil aves participantes, o maior de sempre, onde o Campeão foi o Diamante Papagaio Verde Mar, de um criador trofense, João Pedro Costa. O 60º Campeonato do Mundo, que decorreu em Almería, Espanha, entre os dias 13 e 22 de janeiro, contou com a participação de João Pedro Costa, que enviou várias aves a concurso, sendo que da classe Diamante Papagaio Verde Mar, só participou com a campeã Nacional de dezembro de 2011. Há dois anos atrás o pai do Campeão também foi Campeão do Mundo, tendo na altura o criador afirmado que as suas crias teriam potencialidade para, mais tarde, também serem campeões, facto que se veio agora a confirmar.

A decisão de enviar o pássaro a concurso aconteceu porque, além de ter sido campeão nacional, o criador viu que era “bom e que tinha uma grande potencialidade”. Mesmo assim não contava que conseguisse vencer pois, por norma, os juízes da prova acabam por optar por aves com cores menos diluídas, enquanto que as aves do criador trofense têm cores mais oxidadas. “Isto não é uma ciência exata, depende do gosto pessoal de cada um”, asseverou. 

Um concurso, que na sua opinião, foi “muito bem organizado”, estando o local dividido em duas secções: o piso de cima era destinado às aves a concurso, enquanto o piso de baixo, era a secção de venda de produtos. Uma paixão que já vem dos tempos de criança e que vem desenvolvendo ao longo da sua vida. Apesar dos compromissos pessoais e profissionais, João Pedro Costa tenta arranjar sempre um tempo para este hobby que,  segundo o mesmo, “acaba por ser um escape muito grande à pressão” do trabalho. “Ali esqueço-me completamente do que faço cá fora, estou completamente abstraído. É um hobby muito saudável também nesse aspeto, porque ajuda a libertar a mente, pois há sempre muitos pequenos pormenores que são importantes”, declarou.

Um gosto que pode ficar bastante dispendioso, pois todos os custos envolventes ficam a cargo do criador, que não conta com nenhum tipo de apoio, sendo que também os prémios não têm qualquer valor monetário. Porém, João Pedro Costa garante que não necessita de ajuda pois com a venda dos pássaros consegue suportar esta paixão. “O nosso nome de criador no fundo é a nossa marca. Aquele que tem mais prémios, normalmente é aquele que chama mais a atenção e é aquele que tem mais facilidade de escoar e vender os pássaros que tem e que cria”, exemplificou. Do 60º Campeonato do Mundo o criador recebeu diploma e a respetiva medalha de ouro.

{fcomment}