João Pedro Silva, criador de aves trofense, venceu o 61º Campeonato do Mundo, com o Diamante Gould.

 “Foi espetacular, porque é a espécie que mais gosto e na qual mais trabalho. Nunca tinha sido campeão ou tirado alguma medalha e desta vez tirei logo duas”. O sentimento é do João Pedro Silva, criador de aves trofense, que foi campeão e vice-campeão do Mundo na secção de Diamante Gould.

O criador participou, entre os dias 23 e 27 de janeiro, na 61ª edição do Campeonato do Mundo, que este ano decorreu na Hasselt, na Bélgica. Na secção de Diamante Gould, que teve “cerca de 800 aves participantes”, o criador concorreu com 19 aves: 11 individuais e duas equipas compostas com quatro aves. Na classe de Diamante de Gould cabeça laranja peito branco, João Pedro Silva foi campeão, com 94 pontos, e na classe Pastel Peito Roxo Cabeça Preta arrecadou o 2º posto, com 93 pontos, tendo sido o “terceiro português mais medalhado” nesta secção.

Pela primeira vez, Portugal foi o país “mais medalhado” num mundial, com 26 medalhas, destronando a Espanha, com 16, que era o “país dominante ao longo dos últimos anos”.

Como “nunca tinha apostado tanto” nesta espécie, João Pedro Silva estava satisfeito, pois as aves foram “muito bem pontuadas e classificadas”, o que para si é “um motivo de muito orgulho”. “Pela primeira vez consegui ter medalhas nas aves que mais aprecio”, afirmou, denotando que o Diamante Gould é de “uma beleza extraordinária, parecendo quase pintadas à mão, como um arco íris, tal a definição e separação das várias cores brilhantes e coloridas que possui”.

Esta ave é originária da Austrália e, depois de domesticada, foram criadas “uma enorme variedade de mutações, desde azul, peito branco, pasteis”, entre outros.

Estes prémios são também “muito gratificantes” devido às “muitas horas de trabalho” que dedica aos pássaros, no mínimo, “uma hora por dia”. “Quero deixar aqui o meu agradecimento à minha família, esposa e filhos, meus pais e meu irmão, por todo o apoio, compreensão e motivação, para que eu possa dedicar algum do meu tempo livre a este hobbie de tanta paixão”, concluiu.

A FONP – Federação Ornitológica Nacional Portuguesa e FOP – Federação Ornitológica Portuguesa Cultural e Desportiva organizaram um almoço, que se realizou no domingo, dia 17 de fevereiro, em Coimbra, para a entrega dos prémios obtidos pelos criadores portugueses no Campeonato do Mundo. Foi aí que o criador trofense recebeu os diplomas e as respetivas medalhas de ouro e de prata.